Opinião

Fernando Carpinteiro Albino, CPCQ

(Colóquio “InovCereais”- junho 2017)

Com objetivo de remar contra a maré e continuar a apostar na produção de trigo duro de qualidade, há
19 anos foi constituído o Clube Português de Cereais de Qualidade, unindo a produção, a investigação e
a indústria. Desde então até aos dias de hoje as diferentes Políticas Agrícolas foram trazendo alterações
às quais o Clube se foi adaptando, alargando o seu âmbito de ação para outras áreas, primeiro o trigo
mole, depois a cevada dística e mais recentemente também o milho para alimentação humana entrou na
sua esfera.
Para Carpinteiro Albino a principal razão para que este Clube tenha funcionado bem ao longo de todos
estes anos é a vontade. E é dessa vontade que têm saído resultados como foi concretizado recentemente
no projeto do pão de cereais 100% alentejano, numa parceria com o Clube de Produtores Continente.
Na opinião de Carpinteiro Albino os produtores de cereais, onde se inclui, têm de estar conscientes da
necessidade de agrupar produções em lotes homogéneos para fazer face aos cereais importados que
significam uma percentagem inconcebível.

Fernando Carpinteiro Albino, Clube Produtores Cereais de Qualidade