Hortofruticultura

Kiwi vai ganhando novas cores

Ao longo dos últimos anos a cultura cresceu, evoluiu e tornou-se mais profissional. As escassas centenas de hectares hoje são mais de duas mil e é de registar igualmente a “fuga ao convencional”.

Itália, Nova Zelândia e Chile são os principais produtores de kiwi do mundo, cultura que foi trazida para Portugal na década de 70 do século passado, conhecendo o “boom” na década seguinte. É nas regiões Norte e Centro que se concentra a produção uma vez que aí estão reunidas as condições edafo-climáticas mais favoráveis, nomeadamente a elevada humidade atmosférica, com frio de inverno acima das 500 horas de temperatura abaixo dos 7,2ºC, verões cuja temperatura não ultrapassa, por largos intervalos de tempo, os 30ºC (José Martino).
Ao longo dos últimos anos a cultura cresceu, evoluiu e tornou-se mais profissional. As escassas centenas de hectares hoje são mais de duas mil e é de registar igualmente a “fuga ao convencional”.
Embora a variedade mais expressiva seja a Hayward (tradicional kiwi verde), os produtores têm procurado outras vias de rentabilizar as explorações e atingir novos mercados. Não é assim tão estranho falar em kiwi amarelo, baby kiwi ou mesmo kiwi vermelho.
Se inicialmente a cultura não apresentava grandes preocupações do ponto de vista sanitário neste momento a PSA (Pseudomonas syringae pv. actinidiae), destaca-se na lista das preocupações mais recentes sobre a cultura, pelo impacto económico que tem. Embora ainda não exista uma forma de tratamento os produtores têm aprendido a viver com o problema, implementando as práticas conhecidas para a minimizar.
Produção, consumo, bioquímica da cultura, questões relacionadas com a pós-colheita do fruto, a qualidade e a exportação estarão em debate na 9ª edição do Simpósio Internacional do kiwi que tem lugar entre os dias 6 e 9 de setembro na cidade do Porto, numa organização da Associação Portuguesa de Horticultura e da Sociedade Internacional de Ciências Hortícolas (ISHS). Trata-se de uma organização comum de Portugal de Espanha, contando ainda com os apoios das Universidades de Aveiro e de Vigo, onde a produção de kiwi tem mostrado grande aumento nas últimas décadas e ainda representa elevado potencial de crescimento”.
De acordo com a informação avançada pela Associação Portuguesa de Kiwicultores, de 10 a 13 de setembro Portugal recebe também a 36ª IKO (International Kiwifruit Organization) onde estarão presentes delegações dos maiores países produtores de kiwi, concretamente da Nova Zelândia, Itália, Chile, Grécia, França, Espanha, EUA e, claro, Portugal, representado pela a APK que organiza o evento. Em debate os mercados e as suas tendências, as novas variedades, os consumos mundiais, as produções obtidas e perspetivadas, o contexto legislativo dos vários países produtores, as práticas culturais de combate à PSA, entre outros.

 

É sobre esta cultura a Grande Reportagem da edição de agosto/setembro. Outros títulos:

Continua a ser rentável … para quem faz investimentos ponderados

Já há kiwi verde, amarelo, vermelho e até mini, mas à kiwicultura portuguesa ainda falta ganhar escala

Kiwicoop experiencia novas variedades e espécies para estar no mercado durante todo o ano

“Seria de esperar que os produtores  de kiwi se unissem e fizessem uma organização de produtores mais forte e perspicaz” 

Kiwi amarelo é uma nova tendência de consumo que leva os produtores a apostarem cada vez mais nesta variedade

Ponto de Situação de PSA do Kiwi – Exigências Fitossanitárias

A FERTILIZAÇÃO da ACTINÍDEA na qualidade da PRODUÇÃO