Opinião

Sabe o que realmente está por detrás de um copo de leite?

A globalização da economia e o desenvolvimento tecnológico levaram a mudanças significativas em todos os setores de atividade e a agricultura acompanhou essa evolução.

Produzir atualmente é diferente de produzir há 20 anos atrás.
De 10 vacas as vacarias passaram a ter 100, 200 ou mais animais. A vaca que comia a erva do pasto, agora alimenta-se de forragens conservadas que juntamente com um conjunto de matérias-primas asseguram as necessidades nutricionais dos animais. O carro de bois foi substituído por tratores e outras máquinas que permitem produzir mais e melhor em menos tempo…
Hoje quem visita uma vacaria facilmente constata que os produtores de leite põe em prática boas práticas, promovem o bem-estar animal e procuram adotar estratégias adequadas às atuais exigências. Ventilação, camas confortáveis, água, luz, boa alimentação e bom maneio são os ingredientes necessários para garantir que as vacas vivam bem!
Produzir leite exige ter em conta uma multiplicidade de fatores, pois por detrás de um copo de leite está muito trabalho dentro e fora da vacaria. Procuramos produzir forragem para alimentar as vacas de modo a depender o menos possível das matérias-primas compradas. O milho é o mais utilizado e o seu cultivo implica ter atenção às características do solo, às necessidades hídricas, ao timing certo para as sementeiras e para a colheita da silagem. Depois do milho vem a cultura da erva no outono-inverno.
Na vacaria, os animais são verdadeiros animais de companhia. Todos os dias do ano é necessário tratar da alimentação, da ordenha e estar muito atento ao comportamento dos animais. Os produtores mais parecem uma grande equipa multidisciplinar, pois as exigências da atividade obrigaram a adquirir conhecimento de várias áreas e são muitos os aspetos que exigem cuidado, atenção e muito profissionalismo por parte de todos os intervenientes.
Existem poucos aspetos a melhorar por parte do produtor para aumentar a eficiência de uma vacaria e o preço do leite continua muito mais alto na Europa que em Portugal.

Marisa Costa, Vice-presidente da APROLEP – Associação de Produtores de Leite de Portugal

Para ler na íntegra na edição 208 (outubro 2017)