Ambiente

Quercus promove alternativas ao glifosato

Apesar da nova autorização do herbicida glifosato na União Europeia, herbicida amplamente usado em meio urbano e na agricultura, a Quercus e muitas outras organizações congéneres e plataformas continuam a promover alternativas a este químico, justificando que o mesmo tem impactos negativos na saúde e no ambiente. Além da campanha própria Autarquias sem Glifosato/Herbicidas, a Quercus,tem colaborado no projeto a nível europeu Localidades sem Pesticidas da PAN – Pesticide Action Network, da qual a Quercus é membro.

Com as primeiras chuvas e orvalhos do outono a paisagem torna-se verde devido às ervas espontâneas que emergem depois da secura da época estival, que este ano se prolongou até meados de outubro, e com isso o uso dos herbicidas intensifica-se, pelo que urge mudar esta prática, argumenta a Associação.

“Na opção sem herbicidas não basta muitas vezes substitui-los simplesmente por meios e equipamentos alternativos e portanto é necessária uma abordagem mais abrangente que passa por uma maior aceitação das ervas espontâneas o que pressupõe uma mudança de mentalidades da população face às ervas espontâneas em espaço urbano. De facto, muitas ervas espontâneas têm valor estético, encontrando-se um pouco por todo o lado, nas caleiras de árvores, nas bermas, jardins, etc. Em várias cidades da Europa já são assumidas como parte do espaço público”, lê-se no comunicado enviado às redações.

Nesse sentido, este ano a Quercus fez uma proposta aos Urban Sketchers Portugal (USkP), associação que promove o desenho em cadernos ou diários gráficos, no sentido de lançar o desafio de desenhar as ervas espontâneas em ambiente urbano. O movimento dos Urban Sketchers é alicerçado num manifesto coletivo próprio e está em plena expansão em Portugal, tendo já realizado inúmeras iniciativas coletivas por todo o país e numerosos desafios de desenho.

O desafio de desenho decorreu durante o mês de maio e até 21 de junho de 2017 e os trabalhos surgem agora na Exposição itinerante “Ervas Espontâneas na Cidade” cuja abertura aconteceu ontem no Pólo Cultural da Freguesia de S. Vicente, sito no Campo de Sta Clara, 60 (junto ao Panteão Nacional) em Lisboa.

Na exposição apresentam-se a maioria dos desenhos enviados pelos participantes, sendo mostrado pelo menos um desenho de cada autor. Esta exposição é itinerante e como tal estará disponível a outras entidades e autarquias interessadas em acolhê-la.

Crédito da imagem: Grupo de Cidadãos Sintra sem Herbicidas