Sanidade vegetal

Candidatus Liberibacter solanacearum em cenoura detetada em Portugal

A Direção Geral de Alimentação e Veterinária informa que foi confirmada oficialmente a presença, pela primeira vez em Portugal, de Candidatus Liberibacter solanacearum (CLsol), haplotipo E, na cultura de cenoura na região do Oeste – Lisboa e Vale do Tejo.

De acordo com o ofício daquela entidade, trata-se de uma bactéria que apresenta cinco haplotipos, estando assinalados os haplotipos C, D e E em diversos países da União Europeia associados a Apiáceas, nomeadamente cenoura e aipo, transmitidos pelos psilídeos Bactericera trigonica e Trioza apicalis. As infeções em cenoura têm como principal origem a semente contaminada.

Por outro lado, os haplotipos A e B, que nunca foram assinalados no território da União Europeia, têm como hospedeiros as solanáceas e estão associados a elevadas quebras de produção e depreciação da qualidade da batata. Estes haplotipos são eficientemente transmitidos pelo vetor Bactericera cockerelli, um inseto considerado de quarentena para a União Europeia, onde nunca foi assinalado.

É, no entanto, de recordar que, conforme informação  da DGAV, veiculada pelo ofício circular n.º1/DSSV/2017, em Espanha o haplotipo E foi identificado na cultura da batateira, embora com um nível de infeção baixo, não havendo evidência da presença de vetores eficientes responsáveis pela sua transmissão para além da associada à propagação vegetativa. Situação idêntica se passou na Finlândia, onde o haplotipo C também foi assinalado na cultura da batateira.

Estas ocorrências demonstram que os haplotipos associados a cenoura e aipo (C, D e E) também podem afetar a cultura da batata e consequentemente a sua produção. A introdução em Portugal de CLsol no sistema de produção de batata (e outras solanáceas) poderá, assim, ocorrer a partir de culturas de produção de cenoura infetadas por semente contaminada ou através de psilídeos eficazes na transmissão.

Diz o documento que importa implementar medidas de mitigação da incidência de CLsol na cultura de cenoura e prevenir a sua introdução no sistema de produção de batata, principalmente nas regiões onde as duas culturas se sobrepõem.

A DGAV alerta os produtores de cenoura e produtores de batata consumo, armazenistas e centrais de embalamento para a presença de sintomas e em caso de suspeita devem contactar de imediato a Direção Regional de Agricultura e Pescas da região, a fim de ser feita a confirmação por análise laboratorial e tomadas as medidas necessárias para evitar a sua dispersão.

Fonte fotos: Joseph Munyaneza, USDA-ARS, Yakima Agricultur Research Lab, USA