Formação Pequenos Frutos

Sessão sobre GlobalGAP leva participantes a visitar plantação certificada

A Agim – Associação para os Pequenos Frutos e Inovação Empresarial, em colaboração com a cooperativa Bagas de Portugal, vai organizar uma ação de esclarecimento teórico-prática sobre a implementação e certificação GlobalGAP, de participação gratuita, no próximo dia 20 de janeiro.

O evento será dividido em duas partes distintas e terá início a partir das 10 horas no auditório do Edifício Vougapark, em Paradela do Vouga (Sever do Vouga). Ali irá decorrer a parte teórica da sessão de esclarecimento com intervenções de Cristina Mota, técnica da Agim, e Paulo Lúcio, presidente da cooperativa Bagas de Portugal. A técnica da Agim irá focar-se nos requisitos e procedimentos necessários para aderir ao sistema GlobalGAP, bem como os passos a ter em conta para uma correta implementação. Já o dirigente da Bagas de Portugal irá falar essencialmente nos benefícios que os produtores têm em obter esta certificação, nomeadamente na altura de escoar os seus produtos para os mercados internacionais.

A segunda parte desta sessão de esclarecimento irá levar os participantes a visitar uma plantação onde o GlobalGAP está implementado e certificado. Deste modo, será possível observar no local os pressupostos inerentes a esta certificação e tirar todas as dúvidas junto dos técnicos e do produtor certificado.

A certificação GlobalGAP funciona como um manual de boas práticas agrícolas onde estão explicadas todas as práticas que devem ser seguidas pelos produtores e comercializadores em áreas tão diversas como a gestão da exploração; saúde, segurança e bem-estar dos trabalhadores; gestão de resíduos e poluentes, ambiente e conservação; gestão de reclamações; rastreabilidade e segregação; e segurança e higiene alimentar.

As vantagens da certificação GlobalGAP são várias: o reconhecimento internacional da certificação dos produtos do agricultor; a garantia de escoamento dos produtos para os mercados mais exigentes; a garantia de qualidade e segurança dos produtos; e a melhoria da organização interna da exploração do produtor.