Opinião

“O grau Brix obriga à reconversão dos pomares”

Em termos de comercialização, trabalhamos essencialmente com as grandes superfícies, mercado este que exige cada vez mais qualidade refletida essencialmente pelo grau Brix.

Em termos de balanço da campanha 2017 de prunóideas, o pêssego vermelho registou um decréscimo em muito influenciado pela ocorrência de geada, assim como a nectarina também apresentou um decréscimo em termos de produção, embora entenda que o mercado consome bem esta variedade.

O pêssego vermelho em relação a 2016, baixou de 625 para 586 toneladas, o pêssego amarelo cresceu de 98 para 196 toneladas e a nectarina baixou de 89 para 61 toneladas.

Nota-se entretanto uma crescente aposta no pêssego amarelo. No pêssego vermelho registou-se um decréscimo em muito influenciado pela ocorrência de geada, assim como a nectarina também apresentou um decréscimo em termos de produção, embora se entenda que o mercado consome bem esta variedade.

No futuro com a entrada de novos produtores na Organização de Produtores, e com a entrada de produção de novos pomares, estimamos ultrapassar as duas mil toneladas. Em termos de comercialização, trabalhamos essencialmente com as grandes superfícies, mercado este que exige cada vez mais qualidade refletida essencialmente pelo grau Brix. Tendo em conta que as variedades mais antigas não possuem o grau pretendido, a reconversão dos pomares é essencial. Também o mercado exige hoje em dia fruta mais vermelha, inclusive na nectarina.

Carlos Simão, Sociedade Agrícola da Quinta dos Lamaçais