Agropecuária

Raças Autóctones dão origem a coleção de selos

No próximo dia 8 de fevereiro os CTT em parceria com a Ruralbit e com o ilustrador e biólogo Carlos Medeiros apresentam uma nova coleção de selos de Raças Autóctones Portuguesas.

Esta coleção surge no âmbito do projeto de ilustração científica, da autoria do biólogo e ilustrador Carlos Medeiros, e dele fazem parte todas as raças autóctones portuguesas, desenvolvido em parceria com a empresa Ruralbit.

Recorde-se que em Portugal estão reconhecidas pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária 47 Raças Autóctones de espécies pecuárias: 15 raças de bovinos, 15 de ovinos, 6 de caprinos, 4 de equídeos, 4 de galináceos e 3 de suínos. Estas raças apresentam características morfológicas e distribuições geográficas próprias, algumas das quais com distribuição restrita a um reduzido número de concelhos.

Com a modernização do setor agropecuário, algumas destas raças foram sendo substituídas por outras, originárias de diferentes partes do mundo, na perspetiva de aumentar a rentabilidade das produções.  Por esta razão, várias raças autóctones estão neste momento em risco de extinção, com poucas dezenas de exemplares representativos e um número muito reduzido de criadores.

“O touro de raça Mertolenga, a vaca Barrosã, as ovelhas Galega Mirandesa e Merina Preta e as cabras Algarvia e Serrana são as espécies escolhidas para representar este património genético português” referem os CTT.

A emissão é composta por seis selos, com preços nominais de 0,50€, 0,65€ e 0,85€ e uma tiragem conjunta limitada de 330 mil exemplares; e por uma folha miniatura, incluindo os seis selos da emissão, com a tiragem limitada de 40 mil exemplares.

Os selos estão à venda e disponíveis para circulação postal a partir de dia 8 de fevereiro de 2018, data em que se realizam também as obliterações de primeiro dia nas lojas CTT dos Restauradores, em Lisboa, Município, no Porto, Zarco, no Funchal, e Antero de Quental, em Ponta Delgada.