Empresas & Produtos

Syngenta Good Growth Plan

A Syngenta está a conseguir resultados muito promissores com o The Good Growth Plan (GGP) no aumento da produtividade das principais culturas agrícolas, com um uso mais eficiente, seguro e sustentável dos recursos, conforme comprova o relatório de progresso dos primeiros quatro anos deste programa. São seis compromissos à escala global, para tornar as culturas agrícolas mais eficientes, respeitando o ambiente e as pessoas. Para atingir estes resultados os especialistas de campo da Syngenta trabalham com agricultores, partilhando conhecimento e testando novas soluções em cerca de 1.400 quintas modelo, em 22 culturas agrícolas e 41 países.

O relatório de 2017 do GGP foi apresentado em Bruxelas, a 26 de março, perante colaboradores da empresa e parceiros deste programa que se deslocaram da Europa, Ásia, África e América para dar testemunho sobre o progresso alcançado nos seus países de origem. De Portugal viajaram 11 convidados da Syngenta: associações (ANSEME, ANIPLA, FNOP, APOSOLO, ANPROMIS, ANPOC) e confederações de agricultores (CAP, CONFAGRI), uma cadeia de distribuição alimentar (Sonae) e jornalistas.
Em 2017, a produtividade por hectare nas quintas modelo do GGP aumentou em média 10,9%, em relação ao ponto de partida do programa, em 2014. Um aumento que foi 50% superior ao alcançado noutras explorações agrícolas usadas para comparação. É nas explorações agrícolas modelo de pequenos agricultores que os resultados são mais promissores, atingindo uma melhoria da produtividade estimada em 21,6%. Isto foi possível usando produtos fitofarmacêuticos, adubos e outros fatores de produção de forma mais eficiente. No caso dos produtos fitofarmacêuticos registou-se uma melhoria de 14,2% na eficácia (medida em dose de produto aplicado por kg de cultura agrícola).
As emissões de gases com efeito de estufa, sistematicamente monitorizadas nas quintas modelo do GGP, reduziram-se em média 14% por unidade produzida, desde 2014.

Alguns exemplos
No pilar social do GGP, a Syngenta, em parceria com a consultora TechnoServe, ajudou 8.800 agricultores do Quénia a aumentar os seus rendimentos em mais de 5 milhões de dólares, desde 2016. Estes produtores de batata e tomate aumentaram os seus rendimentos através de formação, de acesso a melhores fatores de produção e do acesso ao crédito e com a melhoria das redes de venda locais. No Bangladesh, 22.250 famílias beneficiaram dos chamados “ninhos de apoio ao agronegócio”, onde têm acesso a melhores sementes, apoio à gestão de risco e ajuda no “último quilómetro” de acesso ao mercado. Este projeto é liderado pela Fundação Syngenta para Sustentabilidade da Agricultura.
Ainda no pilar social, em Portugal, a Syngenta deu formação a perto de 4500 agricultores sobre uso seguro e eficaz de produtos fitofarmacêuticos e a cerca de 300 estudantes do ensino superior e técnico agrário, neste último caso através da competição formativa 24H Agricultura Syngenta. Projetos idênticos decorrem em países como a Argentina, para estudantes do ensino técnico agrário. Todos eles em colaboração com institutos públicos de investigação agrária, universidades e associações técnico-científicas.