Ambiente Cereais Inovação

Influência da Semente Certificada no sucesso das culturas

Estamos claramente na era da biologia e da genética no que diz respeito à Agricultura.

Se pensarmos na Agricultura há 80 anos atrás (nem precisamos de recuar um século), muito se evoluiu em máquinas agrícolas, proteção fitossanitária, proteção ambiental, segurança no trabalho e segurança alimentar. Parece que a agricultura atingiu o seu auge em termos de inovação. E no entanto, continuamos a exigir mais aos Agricultores. Principalmente mais EFICIÊNCIA. É o aumento populacional, são as alterações climáticas, precisamos de produzir mais com o mesmo (ou com menos).
Quando semeamos, é impossível saber e difícil estimar os resultados da produção. É impossível garantir ao agricultor que deve apostar. São demasiadas as variáveis para permitir calcular o risco, com um aceitável grau de certeza.
Não podemos prever o sucesso da cultura mas podemos garantir o seu potencial. A certificação de semente obedece precisamente ao cumprimento de parâmetros definidos por Lei e a garantia é oficial.
Através da certificação temos a garantia do que semeamos (pureza específica), de que vai germinar (taxa de germinação) e das boas condições fitossanitárias do nosso material de reprodução vegetal.
O trabalho de uma empresa de sementes vai muito para além da simples produção em série e comercialização de um produto. Para além de se tratar do Setor que mais investe em investigação e desenvolvimento (em média 20% da faturação das empresas de sementes [obtentores] é reinvestido em atividades de I&D), a produção de sementes está sujeita aos riscos da atividade agrícola, e os operadores de mercado têm que suportar custos de registo de variedades e de certificação de sementes, para além das habituais despesas de marketing e logística.
Para além de ser a única forma de garantir inteiramente a rastreabilidade da produção (uma vez que o processo de produção da própria semente é controlado, ao longo de todas as suas fases), diria que a utilização de semente certificada contribui de forma direta e indireta, para o sucesso das culturas.
A utilização de semente certificada garante, por um lado, que estamos perante um fator de produção que permite minorar o risco decorrente da atividade agrícola, uma vez que assegura o cumprimento de determinados parâmetros (germinação, pureza específica e fitossanidade) de qualidade.

Um artigo da autoria da ANSEME para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 216 (junho 2018)