Opinião

O caminho pode ser pelo “azeite de quinta”

Leonor Martins, Monterosa


A certeza de que a dimensão da propriedade diminui a competitividade garante que o caminho tem de ser pelo “azeite de quinta”.

Apesar de no Algarve apenas se encontrar uma ínfima percentagem do azeite produzido em Portugal isso não quer dizer que a região não tenha condições para o produzir com boa qualidade. A região reúne todas as condições para a instalação de olivais e para a produção de azeite de alta qualidade. Entre essas vantagens enquadra-se o clima, as variedades regionais, nomeadamente a “Maçanilha Algarvia” que confere características diferenciadoras e pode ser a base de uma Denominação de Origem Protegida, o potencial para produção biológica.