Hortofruticultura

A inovação como resposta aos desafios para uma fruticultura sustentável e competitiva

A fruticultura profissional enfrenta um conjunto de desafios a que tem que dar resposta de uma forma permanente e cada vez mais rápida. A única forma de o fazer é através da incorporação de inovação que possa ajudar a fileira a responder, de forma eficiente às dificuldades impostas ao nível da produção, conservação, transformação e comercialização.
Ao nível da produção as, dificuldades advêm essencialmente de um conjunto de 3 grandes desafios globais aos quais a investigação e inovação deve ajudar a responder:

– Competitividade
Os fruticultores, necessitam diferenciarem-se dos concorrentes, demonstrando melhor estrutura de custos, maior qualidade e ou homogeneidade do produto, capacidade de responder à procura, sistemas de produção eficientes, flexibilidade para incorporar novas tendências tecnológicas, fluxo contínuo e mais rápido de novos produtos, mudança rápida na adoção de novas tecnologias, e diminuição dos ciclos de vida do produto.

– Sustentabilidade e resiliência
O setor das frutas está bem colocado para apoiar o papel da Europa na liderança de esforços a nível mundial no sentido de uma maior gestão dos recursos renováveis. A produção de frutas já consome muito menos água do que outros setores de produção de alimentos, mas tem um grande potencial para reduções adicionais desses consumos sem comprometer a qualidade e a quantidade da produção. Ao mesmo tempo, sistemas de produção “inteligentes”, como sistemas de apoio à decisão baseadas nas novas tecnologias da agricultura de precisão, para a gestão de pragas ou pulverizadores inteligentes e aplicações de fertilizantes, baseados nas necessidades reais das plantas, tornar-se-ão cada vez mais difundidos, levando a uma redução ainda maior dos consumos. Por sua vez, isso reduzirá o uso de fontes de energia fósseis, reduzindo assim a pegada de carbono do setor. Coletivamente, essas mudanças contribuirão para a criação de um sistema resiliente, que representa o objetivo final em termos de sustentabilidade.

– O desafio das alterações climáticas
Serão cada vez maiores as restrições para a produção em ambientes naturais impostas pelas mudanças climáticas previstas, levando a múltiplos períodos extremos de maior temperatura média diária e ou menor precipitação ao longo da estação de crescimento. Uma temperatura ambiente mais elevada reduzirá a eficiência do uso da água na planta, com consequências prejudiciais na produção e qualidade. O aumento nas temperaturas também produzirá um avanço nos estágios fenológicos das árvores de fruto, levando, por exemplo, a datas de floração mais precoces, mas também pode levar a um aumento dos riscos de geadas na primavera. Outra consequência poderá ser uma satisfação insuficiente das exigências de horas de frio para a floração, o que provocará um florescimento errático e atrasado e, no final, a uma diminuição da produtividade.

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 219 (outubro 2018)

Maria do Carmo Martins
Secretária-Geral do Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional