Empresas & Produtos

Alltech está mais próxima dos produtores com reforço do acompanhamento técnico

A inauguração de um novo espaço na Póvoa de Varzim integra a estratégia da Alltech de querer estar mais próximo do decisor final e crescer, tanto na vertente animal como vegetal com um posicionamento focado no acompanhamento técnico ao qual a empresa chama de “On farm”.

Investigação e biotecnologia são os dois pilares que sustentam a Alltech, multinacional com sede nos Estados Unidos da América e que está presente em mais de 130 países com equipas locais. Descrita de uma forma muito resumida, a sua atividade passa pela produção de aditivos e suplementos derivados da fermentação, depois utilizados quer na componente animal quer na vegetal. Para esta investigação dispõe de três centros próprios de biociência, um que fica na sede europeia, na Irlanda, outro nos Estados Unidos e um terceiro na China.
Este foi o enquadramento da empresa feito pelo responsável técnico para a região Norte, Francisco Castanheira, no dia em que foi inaugurada a loja da Alltech, em Estela (Póvoa de Varzim), no coração de uma região onde está sediada grande parte da horticultura nacional assim como da produção leiteira. Nesta ação a Alltech quis mostrar os vários produtos e tecnologias com que trabalha, recordando que tudo começou em 1980 com um produto para pecuária resultante do estudo bioquímico de uma levedura, a partir da qual nasceram todos os restantes.
Uma vez que na Europa, e em Portugal, a produção de leite e carne assentam muito na produção de silagem de milho, em 1993 era lançada a Alltech Crop Science, uma divisão que se dedica a utilizar todo o know-how e tecnologia já provenientes da pecuária numa linha de soluções a aplicar nas espécies vegetais. “No fundo é uma gama de bioestimulantes (produzidos sem resíduos) que atua em várias áreas: saúde do solo, performance (estimular a planta) e proteção. O princípio ativo é o mesmo do usado na componente animal e é derivado de fermentações”, explica Francisco Castanheira, afirmando igualmente que “com a aplicação dos bioestimulantes o produtor ganha mais matéria verde produzida, mais quilos por hectare, maior qualidade porque há uma maior representação em amido na planta. É particularmente significativo para o Entre Douro e Minho onde normalmente os produtores têm um encabeçamento grande para a área disponível e como tal a quantidade de silagem que produzem é limitante”.
Mais do que produtos a Alltech disponibiliza soluções integradas que fazem parte do acompanhamento técnico prestado, suportado em tecnologias que podem ir da análise rápida às dietas dos animais até a termocâmaras, ferramenta usada diariamente nas explorações, nomeadamente nas explorações de leite e que visam verificar focos de calor nos silos que podem denunciar a presença de fungos ou de leveduras que pode destruir a qualidade do alimento, entre outras consequências.
Embora sejam estas as divisões mais conhecidas da Alltech, no Dia Aberto foi ainda possível conhecer a divisão de bebidas, nomeadamente a cerveja artesanal, que ainda não está há venda em Portugal, mas por pouco tempo.

Para ler na íntegra na Voz do Campo nº219 (outubro 2018)