Grande Entrevista

Carlos Oliveira, Administrador Executivo/CEO Deputy da Agrogarante

O outro lado do financiamento da atividade agroflorestal

Acompanhamento próximo e personalizado a empresas e empresários é uma das vantagens de que beneficiam os clientes da Agrogarante – Sociedade de Garantia Mútua que já apoiou mais de 7 mil empresas através da emissão de mais de 14000 garantias, num montante superior a 980 milhões de euros.
O mecanismo de garantia mútua pode ser utilizado pela empresa ou empresário que pense recorrer ao crédito bancário para financiar a sua atividade como meio de ver facilitado o respetivo acesso.
O Administrador Executivo/CEO Deputy da Agrogarante, Carlos Oliveira, explica em entrevista um pouco mais sobre esta Sociedade que concentra a sua atividade no setor agroflorestal.

Como se define a Sociedade de Garantia Mútua – Agrogarante?
A Agrogarante é uma das quatro Sociedades de Garantia Mútua (SGM) que, em conjunto com a SPGM, constituem o Sistema Nacional de Garantia Mútua (SNGM).
A Agrogarante, tal como as restantes Sociedades de Garantia Mútua, é uma sociedade financeira, vocacionada fundamentalmente para a facilitação do acesso ao crédito para financiamento das PME, em melhores condições de preço e prazo, com a particularidade de apoiar especificamente o Setor Primário, isto é, a agricultura, pecuária, agroindústrias, comércio por grosso de produtos agrícolas, florestas e também as indústrias extrativas e as pescas. A Agrogarante possui um âmbito de atuação alargado a todo o território nacional, continente e ilhas.

Quais são os seus principais objetivos?
A Agrogarante tem como principal objetivo o apoio às micro, pequenas e médias empresas (PME), e ainda o apoio aos Empresários em Nome Individual e jovens agricultores. Este apoio é consubstanciado através da prestação de garantias autónomas “on first demand” (pagas à primeira solicitação), que facilitam a obtenção de crédito em condições de preço e prazo adequadas aos ciclos de atividade das PME e dos empresários e ainda através da prestação de todas as garantias necessárias para o desenvolvimento de cada atividade.

Quais as áreas de atividade que têm apoiado?
Temos apoiado as mais diversas áreas de atividade, tendo, desde o início da nossa atividade, em 2007, até 30 de junho de 2018 apoiado mais de 7 000 empresas, através da emissão de mais de 14 000 garantias, num montante global superior a 980 milhões de euros. Estas garantias permitiram a obtenção de financiamentos superiores a 2 025 milhões de euros junto do sistema financeiro e a concretização de investimentos de mais de 2 030 milhões de euros.

Há diferentes soluções para diferentes setores (agrícolas)?
As já referidas garantias apresentam-se, em muitos casos, como imprescindíveis à atividade das empresas e dos empresários. Enquanto soluções para cada atividade, a Agrogarante apresenta diversas linhas de crédito com garantia mútua protocoladas com os parceiros da Banca que visam dar resposta adequada ao tecido empresarial português. Neste momento temos ao dispor das PME e dos empresários, entre outras Linhas, a Linha de Crédito Capitalizar 2018, com uma dotação de 1 600 milhões de euros, na qual podem ser enquadradas diferentes tipologias de Operações. Existem ainda outras Linhas criadas para dar respostas mais diretas a necessidades específicas e a necessidades advenientes de situações conjunturais que exigiram resposta mais concreta por parte do SNGM. São elas a Linha de Crédito Garantida para Parqueamento de Madeira Queimada e Resinosas, a Linha de Crédito Garantida para Comercialização de Madeira Queimada e Resinosas, a Linha da de Crédito para Apoio à Tesouraria de Empresas Afetadas por Incêndios que deflagraram a 15 de outubro de 2017, a Linha de Crédito Garantida para Minimização dos Efeitos da Seca 2017 – Alimentação Animal, entre outras que podem ser consultadas em www.agrogarante.pt.

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 219 (outubro 2018)