Hortofruticultura

O que não deve descurar antes de investir

A Fruticultura é uma das fileiras que tem os aumentos mais significativos no valor da sua produção padrão, e consequentemente contribui de forma positiva para o equilíbrio da balança comercial portuguesa. Dados retirados do INE (2005-2016) revelam-nos que a preços constantes, a fruticultura apresenta uma taxa de crescimento anual na ordem dos 2,7%.
Este setor tem estado na vanguarda da evolução, tecnológica e científica, em que as transformações são bastante rápidas, pelo que é necessário um acompanhamento contínuo.

Palavras como: Eficiência, Sustentabilidade e Cooperativismo, estão na ordem do dia. Sendo a parte ambiental uma componente cada vez mais presente na exploração.

O Agricultor atual não pode olhar para a exploração apenas na perspetiva económica, mas também pela componente ambiental que está a ganhar (e bem) uma dimensão cada vez maior, pelo que tem como função produzir mais e melhor com o mínimo de recursos. É neste ponto que a gestão agrícola se torna tão importante. Visto não se conseguirem controlar diretamente os proveitos de um Pomar, é necessário fazer o pensamento contrário, ou seja, começar por trabalhar os custos.
Voltando um pouco atrás, para que uma exploração se torne mais eficiente ou mais sustentável torna-se necessário investir (isto para agricultores instalados)! Já um agricultor que pretenda instalar-se “do zero”, necessita de ter em conta outro fator: seleção do “Pomar” a instalar.
Neste artigo serão abordados quais os aspetos a não descurar antes de avançar com ideia de investimento.
Fatores como: área, escoamento do produto e clima são indispensáveis para seleção do fruto a produzir. Há culturas que se tornam rentáveis em áreas pequenas, já outras tornam-se uma verdadeira catástrofe nessas mesmas áreas. O mesmo acontece se o produtor não tiver por onde escoar o produto, a produção torna-se inviável. Também o clima torna-se de tal maneira importante porque as práticas agrícolas são extremamente dependentes das variações atmosféricas, o que quer dizer que alguns fatores, como a quantidade de chuvas, a temperatura e outros elementos, interferem na produção dos pomares.
Após uma cuidada análise dos critérios atrás descritos, e o agricultor decidir a cultura a instalar, este pode recorrer a um Projeto de Investimento Agrícola pelo PDR2020.
Um dos objetivos e prioridades visadas pelo PDR2020, consiste em: “b) Preservar e melhorar o ambiente, assegurando a compatibilidade dos investimentos com as normas ambientais e de higiene e segurança no trabalho”, que nos remete ao atrás descrito.

A Valia Global da Operação, também conhecida por VGO é a chave fundamental para a realização, ou não, de um projeto de investimento.

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 219 (outubro 2018)

João Marques Cebola
Engenheiro Agrónomo | Consultor Agrícola