Agroalimentar Investigação Tecnologia

Agricultura portuguesa vai ter HUB digital

ISQ lança o Hub Digital para a Agricultura em Portugal (HUB4AGRI). A apresentação oficial do HUB4AGRI decorrerá no próximo dia 15 de outubro, na sede da CONFAGRI em Lisboa.

O HUB4AGRI é uma iniciativa alinhada com as estratégias Nacional e Europeia para a Digitalização da Indústria. Envolve mais de 15 entidades que cobrem toda a cadeia de valor agroalimentar, visa a criação de um ecossistema com soluções inovadoras para o desenvolvimento da competitividade dos setores agrícola, agroalimentar, florestal, produção animal e desenvolvimento rural, capaz de dar uma resposta transversal aos grandes desafios que atualmente se colocam.

A rede do HUB4AGRI é coordenada pelo ISQ e envolve entidades como a CONFAGRI- Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal, Universidade de Évora, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, IPS- Instituto Politécnico e Santarém, IPVC- Instituto Politécnico de Viana do Castelo, IPB- Instituto Politécnico de Bragança, COTR- Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio, CVRA- Comissão Vitivinícola Regional Alentejana, TICE.PT- Pólo das Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica, AIFF- Associação para a Competitividade das Indústrias da Fileira Florestal, Inova +, Labiagro- Laboratório Químico e Microbiológico, Agritaurus- Sociedade agropecuária e a StartUP Portugal.

Os desafios do setor agrícola

Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a população mundial global encontra-se crescimento exponencial o que origina uma procura crescente de culturas agrícolas, produtos agrícolas e alimentos processados. A agricultura e o sistema alimentar mundial são desafiados a alimentar uma população global estimada em 9,7 bilhões de pessoas até 2050, com a diminuição dos recursos terrestres e hídricos. A produção mundial de alimentos necessitará duplicar até 2050 para poder dar resposta a este crescimento populacional, com exigências de mais produtos por parte dos consumidores e produtos cada vez mais saudáveis. Diversos autores afirmam que no futuro simplesmente não será possível fazer face a estes desafios com as técnicas de produção atuais. Em simultâneo, estes setores terão de lidar com as alterações climáticas, minimizar impactos ambientais, aumentar a eficiência no uso de recursos, e ainda, fazer face aos desafios da transformação digital trazidos pela 4ª revolução industrial.

A adoção de tecnologia, a digitalização de processos e novos modelos de negócio digitais, baseados nas novas tecnologias de informação e comunicação são apontados por diversos autores e instituições a nível mundial, como a solução com papel de maior relevância para fazer face a estes grandes desafios.

Neste contexto, a criação de redes de cooperação e infraestruturas, capazes de acelerar a transformação digital do setor agrícola, é uma medida necessária para suportar a melhoria da competitividade do setor através do incremento da produtividade e um desempenho ambiental crescente. Estas redes de cooperação deverão funcionar como ecossistemas de inovação, onde a atuação conjunta e coordenada será mais eficiente do que a atuação isolada de cada umadas partes, amplificando resultados e acelerando a transformação digital.

HUB4AGRI em resposta aos desafios

Neste contexto de grandes desafios para o setor agrícola, o HUB4AGRI pretende conectar a procura e as necessidades dos produtores agrícolas com as soluções e respostas tecnológicas para a digitalização da agricultura. Com áreas de atuação diversas e multidisciplinares, o HUB será também ele próprio também um criador/fornecedor de soluções.

O grande objetivo é o de constituir e manter um ecossistema de inovação suportado numa rede de cooperação multissetorial e trabalhar em estreita colaboração com as autoridades regionais e nacionais para promover a transformação digital do setor agrícola. O HUB colocará ao alcance de todas as empresas, grandes ou pequenas, onde quer que estejam situadas, os serviços necessários para incrementar a produtividade e sustentabilidade do setor, através da melhoria de processos e da adaptação dos modelos produtivos suportados em tecnologia e ferramentas digitais.