Agropecuária Ambiente Política Agrícola

Governo propõe a redução da produção de bovinos em 30%

Portugal quer conseguir absorver até 2050 o mesmo que imite em dióxido de carbono. Investimento nas florestas para que sejam mais resilientes ao fogo e redução da área ardida, são medidas a pôr em prática.

Mas as mudanças previstas no roteiro para a neutralidade carbónica terão também implicações na agricultura e pecuária, o Ministério do Ambiente propõe a redução da produção de bovinos em 30% até 2050, e a PAC (Política Agrícola Comum) deverá definir esta realidade.

O Ministro do Ambiente, Matos Fernandes refere que “A Comissão Europeia apresentou uma estratégia para a neutralidade em carbono em toda a União Europeia, e assim sendo é natural que também o sistema de apoios que a PAC venha a dar seja coerente com essa mesma estratégia”.

A CAP (Confederação dos Agricultores de Portugal), veio já a público dizer que “estas declarações do Ministro demonstram o desconhecimento total da agricultura portuguesa e da forma como se produzem bovinos em Portugal”, e vai mais longe argumentando que “Portugal só produz 50% da carne que consome, por isso reduzir o efetivo de vacas em Portugal e importar de outro país é uma situação sem nexo económico e contribuir para a desertificação do mundo rural”.

Para um país neutro de emissões de carbono o governo vai aumentar o investimento anual nesta área em dois mil milhões de euros, e até 2030 um terço da mobilidade deverá ser elétrica.

Outro objetivo do Governo é que as energias renováveis consigam suportar toda a produção de eletricidade, podendo assim terem que encerrar as duas centrais a carvão no país.