Evento realizado Hortofruticultura

Modelo de negócio da cereja exige um plano estratégico

No âmbito do Grupo Operacional da Cereja de Resende, vai decorrer amanhã (7 de dezembro) no auditório municipal de Resende, a sessão pública de apresentação dos resultados do primeiro ano de projeto.

Nesta sessão, que enquadra os trabalhos realizados para a promoção e divulgação deste produto, serão oradores, para além do presidente da Câmara Municipal de Resende, Manuel Trindade, representantes da UTAD, da Dolmen, assim como diversos produtores nacionais e internacionais.

Antes do debate e encerramento da sessão, José Martino, CEO da Ruris, empresa de desenvolvimento rural, irá abordar o tema “O modelo de negócio da cerejeira”, no contexto da região do Tâmega e Sousa.

Para José Martino, o potencial da cereja em Resende exige um plano de negócios que concilie as melhores práticas de um modelo técnico económico com as alterações climatéricas, as variedades do produto e as condições e exigências dos mercados.

É este plano estratégico que irá estar em debate em Resende, como forma de potencial o agroalimentar na região do Tâmega e Sousa.