Rega

Regantes reuniram e apresentaram prioridades para 2019

A Associação de Regantes e Beneficiários de Idanha (ARBI) acolheu a 36.ª Assembleia Geral da Federação Nacional de Regantes de Portugal (FENAREG), que apontou como prioridades para 2019 a modernização dos blocos de rega e a apresentação de propostas para uma estratégia nacional de regadio até 2050.

Representantes de Associações de Regantes de todo o país reuniram para definir a agenda do próximo ano, num momento em que Portugal enfrenta o desafio da preparação do quadro comunitário de apoio que deverá aplicar-se a partir de 2021. Fatores como o Brexit e as exigências de destinar mais fundos europeus às questões da segurança ou à migração, colocam desafios aos apoios necessários para a competitividade futura da agricultura na Europa.

De acordo com a nota de imprensa enviada às redações pela FENAREG, o seu presidente, José Nuncio realçou que “o regadio é fundamental para a agricultura e o seu futuro implica garantia de armazenamento de água e a modernização de blocos de rega, tendo claro que o objetivo agora não é somente eficiência no uso da água, mas também da energia para garantir a sustentabilidade do setor”.

Atendendo a este contexto, a FENAREG encomendou um estudo, que está a ser elaborado pela AGROGES, com vista a definir objetivos e propostas para o desenvolvimento de uma estratégia nacional para o regadio até 2050. A Assembleia Geral da FENAREG foi unânime em assumir a necessidade deste estudo, que deverá estar concluído no primeiro trimestre de 2019, e cujas propostas serão um contributo dos regantes portugueses na definição de políticas públicas de regadio para o período 2020-2050.

O presidente da ARBI, Paulo Cunha, anfitrião desta reunião, sublinhou a importância do regadio no desenvolvimento da região, realçando a necessidade de intervenções nas infraestruturas dos regadios mais antigos, como o de Idanha que tem mais de 70 anos. A obra de regadio de Idanha-a-Nova, que abrange uma área de cerca de 8.200 hectares, submeteu um conjunto de projetos de modernização, mas que não foram contemplados nas verbas do atual PDR2020.

O reforço de verbas para intervir neste tipo de infraestruturas é premente para garantir a continuidade do seu funcionamento, concluíram os associados da FENAREG no debate da Assembleia Geral.