Agropecuária Empresas & Produtos

Carnalentejana. Gama de produtos continua a crescer

O ano de 2018 foi de forte ampliação da gama da Carnalentejana em peças desmanchadas e embaladas a vácuo em atmosfera modificada e de Skin ao mesmo tempo que foi possível superar os números de bovinos alentejanos em linha pura relativamente ao ano anterior.
O alargamento das peças de bovinos em todos os produtos embalados contribuiu para o aumento das vendas, tendo o novo produto de carne maturada oriundo de vacas adultas de reforma começando a ter uma procura que já conduziu ao aumento da oferta deste tipo de carne. E, conforme avança o presidente do Conselho de Administração da Carnalentejana, Fernando Carpinteiro Albino, estão a ser feitos novos ensaios de outros produtos para aumentar a gama de oferta, tudo apontando para novidades em 2019.
Relativamente a novos mercados conquistados pela empresa, tem havido um reforço das vendas para Angola e deu-se início à exportação de peças da Carnalentejana e do ovino nacional por ela comercializado para Macau.

Consumidor reconhece as características de um produto de valor acrescentado e está disposto a pagar por ele
Sendo um produto de valor acrescentado, isto é, com Denominação de Origem Protegida, devidamente certificado, criado em regime extensivo com obediência e cumprimento escrupuloso de todas as exigências do bem estar animal tem que ter, necessariamente, um custo superior em relação a outros que não preenchem todos estes requisitos, esclarece Carpinteiro Albino ao mesmo tempo que revela que o consumidor tem estas características em conta na medida em que “a produção está toda vendida”.
Concretamente sobre a raça Bovina Alentejana é preciso recordar que em 1992 se encontrava em vias de extinção. “Em 2018, já não está neste patamar de classificação, por força das ações desenvolvidas e levadas a efeito pela Associação de Criadores de Bovinos da Raça Alentejana, como organização socioprofissional em simbiose com o trabalho desenvolvido pela organização sócio comercial criada em 1992, mais concretamente a Carnalentejana,S.A.. Atualmente o efetivo de vacas adultas em linha pura na ordem das 12 000”, complementa o dirigente, para quem é imperioso que este número venha a aumentar. Esse crescimento significará benefícios acrescidos para o interior do País e como tal é importante que no próximo quadro comunitário de apoio para a agricultura, o apoio às raças autóctones saia manifestamente reforçado e revigorado “para não se repetir a mesma situação do ainda vigente em que as raças autóctones estão, na prática, impedidas de ver aumentados os seus efetivos”.

Publicado na Voz do Campo n.º 221 (dezembro 2018) no Dossier Balanço 2018