Cereais Empresas & Produtos

Dekalb. Para além da genética, hoje a tecnologia também é imprescindível

Se hoje a Dekalb é uma referência no mercado de milhos híbridos, o seu responsável em Portugal, José Luís Amaro acredita que é o resultado de vários anos de trabalho árduo até atingir notoriedade e consolidação no mercado. A preocupação da empresa tem sido servir bem o agricultor em termos de adaptabilidade das variedades às suas condições e otimizar as produções. Ou seja, tem tido o cuidado de lançar híbridos que sejam blockbuster produtivos, bem adaptados e tolerantes às doenças e pragas, criando uma oferta diferenciada para os clientes.
As últimas novidades, as perspetivas de futuro, assim como os vencedores dos Prémios de Produção Dekalb foram apresentados na Reunião de Lançamento da Campanha (2019).

Para apresentar a sua campanha de 2019 a Dekalb organizou uma reunião na região sul do país, mais propriamente em Évora, onde também promoveu o debate à volta da Estratégia Nacional para a Promoção da Produção de Cereais. Esta Estratégia, tornada pública em maio passado (consultar Voz do Campo n.º 216 – junho de 2018) reuniu o consenso entre as várias organizações de produtores de cereais e há uma forte expectativa em relação às metas definidas, nomeadamente a de conseguir um grau de autoaprovisionamento de cereais que atinja os 80% no caso do arroz, 50% no milho e 20% nos cereais praganosos, num horizonte de cinco anos.
“É possível produzir mais e melhor e de uma forma mais eficiente”, garantiu Luís Souto Barreiros, Coordenador do Grupo de trabalho que definiu a Estratégia. Os agricultores presentes na mesa redonda moderada pelo agricultor João Coimbra também mostraram o seu apreço pela definição de uma Estratégia para este setor mas ressalvam que agora é importante que seja colocada em prática e com apoios para que os resultados comecem a surgir.
No caso concreto do milho, que é o universo onde a Dekalb opera, e de acordo com o secretário-geral da Anpromis – Associação Nacional de Produtores de Milho e Sorgo – Tiago Silva Pinto, também há expectativas elevadas sobre os benefícios que a Estratégia Nacional pode trazer à fileira. Em termos gerais referiu que os preços têm-se mantido relativamente baixos devido aos stocks, mas mesmo assim José Luís Amaro, (Sales District Manager-Portugal) consegue ver alguns sinais positivos no ano de 2018, “gerando alguma predisposição para inverter a tendência contrária que estava a verificar-se”.
Este ano o portefólio Dekalb vai contar com algumas novidades mas para além da genética, há que notar também a importância das novas tecnologias. Um ponto que também esteve em destaque na Reunião pois a empresa assume que esse é um caminho sem retorno.
Questionado sobre qual tem sido a reação dos agricultores a esta nova forma de estar, José Luís Amaro admite que a mudança causa sempre alguma resistência mas já começaram a dar-se os primeiros passos por isso é de acreditar que a mudança aconteça rapidamente. “Os agricultores têm de estar cientes que o caminho passa pela otimização dos recursos através de ferramentas digitais”.

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 223 (fevereiro 2019)