Sanidade vegetal

Novos focos de Xylella fastidiosa levam ao alargamento da Área Demarcada

A Direção Geral de Alimentação e Veterinária emitiu um novo Ofício Circular (12/2019) onde faz saber que prosseguem os trabalhos de prospeção oficial intensiva da bactéria Xylella fastidiosa, após a sua primeira deteção a 3 de janeiro em Vila Nova de Gaia.

Nessa sequência, foram até à data detetados doze focos em espaços públicos e jardins particulares daquele concelho. As espécies de plantas identificadas infetadas compreendem diversas ornamentais e espontâneas, designadamente Lavandula dentata, Lavandula angustifolia, Rosmarinus officinalis, Artemisia arborescens, Coprosma repens, Myrtus communis, Vinca, Ulex europaeus, Ulex minor e Cytisus scoparius

Em resultado destas deteções, têm sido feitos alargamentos da “Área Demarcada” que compreende as “Zonas Infetadas”, incluindo todas as plantas hospedeiras da subespécie da bactéria que se encontram num raio de 100m em redor das plantas contaminadas, e uma “Zona Tampão” circundante de cinco km de raio.

Mapa: Área Demarcada de Xylella fastidiosa – Zonas Infetadas + Zonas Tampão (área circundante de 5 km)

Fonte: DGAV