Olival & Azeite

Azeite. Apurados os dados, quebra foi de 30%

A Divisão de Estatística do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral acaba de divulgar os resultados dos inquéritos aos lagares de azeite e aos industriais de azeitona de mesa, da campanha 2018-2019.


Em ano de contrassafra e com condições meteorológicas adversas (2018), os resultados do inquérito realizado mensalmente pelo SIAZ – Sistema de Informação do Azeite e Azeitona de Mesa – , mostra uma quebra de 30% na produção de azeite na campanha 2018-2019, relativamente à campanha anterior. Apesar disto, a produção é superior em 4% à produção média das últimas quatro campanhas.
Esta quebra acentuada resultou da quebra de 15% na quantidade de azeitona laborada, conjugada com a diminuição de 17% no rendimento da azeitona.
Recorde-se que na campanha 2017-2018 tinha sido atingido um máximo histórico de produção.
No caso da azeitona de mesa, e com base nos inquéritos àqueles industriais, no ano de ano de 2017 tinha sido atingido um volume máximo histórico na produção de azeitona em Portugal. Já 2018, além de ser ano de contrassafra, registou condições meteorológicas adversas para a produção de azeitona. Considerando que 10% da azeitona colhida para conserva não entrou na indústria, mas foi autoconsumida ou conservada artesanalmente, a estimativa é que em 2018, o volume total de azeitona colhida para conserva nos olivais portugueses caiu 12%, em relação a 2017, rondando as 22 mil toneladas.