Agrociência Floresta Inovação

Empreender na fileira do medronho. Plataforma EMED traz nova visibilidade

No âmbito do projeto Inovas Fileiras a ARBUTUS – Associação para a Promoção do Medronho – realizou no verão o último de 5 workshops práticos dedicados à temática do medronho.
Considerando esta fileira enquanto um conjunto de cadeias de valor desde a sua produção (florestal ou agrícola) até à sua valorização agroindustrial, a Arbutus tem vindo a disseminar informação por diversas vias. Estas incluíram a realização de workshops práticos, que contaram com a participação de alguns dos mais destacados atores e investigadores do setor, e que incidiram sobre diversas temáticas, como: as boas práticas de fabricação de aguardente de medronho; a micorrização como estratégia de valorização da cultura; as diferentes aplicações alimentares do medronho; a integração da cultura do medronheiro no montado; e a instalação de pomares de medronheiro.
Além disso, em março de 2019 foi criada a plataforma EMED (Empreender na fileira do medronho), disponível em www.emed.pt. Seguindo a metodologia desenvolvida pela bem-sucedida plataforma EPAM (Empreender na Fileira das Plantas Aromáticas e Medicinais) e beneficiando dessa experiência, a plataforma EMED pretende ser uma ferramenta de levantamento, disseminação e transferência de conhecimento entre centros de investigação, universidades e politécnicos e agentes rurais, assumindo particular relevância aspetos de inovação e boas práticas desenvolvidos pela rede de parceiros e agentes do setor. Esta plataforma conta já com um número de parceiros institucionais importantes como a Escola Superior Agrária de Coimbra, a Universidade do Algarve e o Instituto Politécnico de Beja, entre muitos outros.
A plataforma EMED disponibiliza um acervo agregado e organizado de recursos que incluem artigos de imprensa, informação técnica e científica, uma lista bibliográfica especializada, uma lista das dissertações de mestrado e doutoramento realizadas em Portugal sobre o tema (incluindo hiperligações para as mesmas quando disponíveis), uma listagem de projetos de investigação (já concluídos e em curso) relacionados com a cultura do medronheiro, e uma agenda de eventos diretamente relevantes para o desenvolvimento da fileira. A plataforma disponibiliza também um inquérito que visa o levamento de informação de caracterização da fileira que pode ser preenchido de forma anónima.
Entre os recursos da plataforma EMED destaca-se particularmente o mapa de produtores. Esta ferramenta permite visualizar a localização, em todo o território, de vários tipos de produtores relevantes para a fileira do medronho, nomeadamente de produtores do fruto, destiladores, unidades de transformação e viveiristas especializados. Estes agentes do setor, que poderão inscrever-se no mapa através do respetivo formulário, encontram nesta ferramenta uma oportunidade para se colocar no “mapa do medronho” em Portugal, disponibilizando contactos e informações acerca dos produtos ou serviços em que se especializam. Esta ferramenta pretende assim contribuir para a criação de uma rede de âmbito nacional a ser estimulada e potenciada por uma forte dinâmica colaborativa entre todos os agentes a nível nacional (incluindo associações, produtores, investigadores, distribuidores, retalhistas, etc.), organizando e construindo uma base sólida para o desenvolvimento e agregação desta fileira emergente no seu todo, de Norte a Sul do país.

Um artigo de Afonso Pereira
Presidente da direção Arbutus – Associação para a Promoção do Medronho

Publicado na Voz do Campo n.º 231 (novembro 2019)