Desenvolvimento Local Política Agrícola Vinha & Vinho

Bairrada focada na criação de um centro de investigação de espumantes

A intenção foi expressa na celebração do 40.º aniversário da região demarcada, que é responsável por cerca de 50% da produção nacional de espumante.

Num almoço presenciado pela ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, os agentes locais comemoraram, no dia 14 de janeiro, os 40 anos da demarcação da Região Vitivinícola da Bairrada, numa unidade hoteleira da Curia, em Anadia.

Aproveitando a presença da governante, quer Pedro Soares, presidente da Comissão Vitivinícola da Bairrada, quer Teresa Cardoso, presidente da Câmara Municipal de Anadia, voltaram a reforçar um pedido que já tem anos: a criação de um Centro de Investigação Nacional dedicado ao espumante. Uma infra-estrutura que poderia ser criada, a partir das instalações que albergaram a Estação Vitivinícola da Bairrada, em pleno centro da cidade de Anadia.

A reivindicação já não é nova, mas, desta vez, acabou por ser manifestada em duplicado. Pedro Soares, presidente da Comissão Vitivinícola da Bairrada (CVB), e Teresa Cardoso, presidente da câmara municipal de Anadia, falaram a uma só voz, no que toca a reivindicar a construção de um centro de investigação de espumantes na Bairrada. Um desejo expresso em dia de aniversário, com a celebração dos 40 anos daquela região demarcada – perante quem tem poder de decisão: Maria do Céu Albuquerque, ministra da Agricultura, recebeu e registou o pedido.

Centro de estudos do espumante

Na reunião, Maria do Céu Albuquerque salientou que a criação de um centro de estudos do espumante é um objetivo partilhado, bem como a total disponibilidade do Governo para continuar a colaborar «na construção de novos projetos, na colocação da inovação, da investigação e do conhecimento ao serviço do setor e da região e na conservação, e afirmação, da nossa história e do nosso património».

A proposta passa por instalar o futuro centro nas antigas instalações da CVB e concentrar esforços para aproveitar o crescimento do mercado mundial de espumantes, que vale quase cinco mil milhões de euros. Um subsetor no qual a região demarcada da Bairrada reclama méritos de liderança. É responsável por “mais de 50 % da produção nacional” de espumantes, encaminhando uma parte cada vez maior para exportação, segundo fez questão de destacar Pedro Soares.

Também a líder do município que tem vindo a afirmar-se como “capital do espumante” aproveitou o seu discurso para surgir em defesa do crescimento que a região demarcada tem vindo a registar. “A Bairrada tem sido uma região activa e dinâmica”, vincou, atribuindo grande parte desse mérito aos produtores locais – a região tem atualmente cerca de 2.400 produtores.