Agropecuária Política Agrícola

Nuno Russo sugere ordem dos médicos-veterinários a promoverem o diálogo entre os profissionais e a investigação

O Secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, participou, no dia 15 de janeiro, na cerimónia de tomada de posse do Bastonário da Ordem dos Médicos-Veterinários e dos restantes membros dos órgãos sociais eleitos para o quadriénio 2020-2023, a qual decorreu em Lisboa.

O Ministério da Agricultura “está disponível para entrar nesta discussão e aplicar resultados”, já que “ambiciona alcançar uma agricultura e pecuária ainda mais sustentável, competitiva e inovadora e, para isso conta, com todos e todos  que queiram participar, colaborar e trabalhar nestes novos desafios”, disse Nuno Russo, secretário de Estado da Agricultura.

A encerrar a cerimónia, o secretário de Estado da Agricultura, Nuno Russo, referiu a colaboração constante da OMV com outras entidades públicas e assinalou o seu papel de maior destaque na sociedade atual. “Hoje escreve-se mais uma página da história desta Ordem”, disse, acrescentando que os veterinários são essenciais ao bem-estar animal e na promoção da adoção responsável, e elogiando o seu contributo para a criação e implementação do SIAC – Sistema de Informação de Animais de Companhia.

Neste âmbito e tendo sublinhado a disponibilidade do Ministério para um debate participado e transversal, o Secretário de Estado concluiu a sua intervenção deixando um desafio à Ordem, aos seus profissionais e às instituições ligadas à investigação: “Termino deixando o repto: promovam o diálogo entre o saber daqueles que exercem a profissão e o conhecimento resultante da investigação que é desenvolvida nesta área, designadamente pelas instituições de ensino superior. Tocando ainda nos desafios trazidos pelas alterações climáticas e escassez de recursos, que, segundo o secretário de Estado, “exigem sustentabilidade”, Nuno Russo procurou também criar pontes entre investigadores académicos e agentes no campo, afirmando que o Ministério da Agricultura “está disponível para entrar nesta discussão e aplicar resultados”, já que “ambiciona alcançar uma agricultura e pecuária ainda mais sustentável, competitiva e inovadora e, para isso conta, com todos e todas que queiram participar, colaborar e trabalhar nestes novos desafios”.