Ambiente Política Agrícola

Plataforma Transgénicos Fora lança campanha contra apoios agrícolas a herbicidas

Uma campanha lançada no dia 10 de fevereiro pela Plataforma Transgénicos Fora (PTF) defende que as medidas agroambientais, no próximo quadro comunitário de apoio, devem excluir subsídios para o uso de herbicidas na agricultura, sobretudo o glifosato.

“Neste momento, as medidas agroambientais ainda preveem apoios em que há aplicação de herbicidas”, disse à agência Lusa Alexandra Azevedo, da PTF, na sessão de lançamento da campanha “Agroambientais sem Glifosato/Herbicidas”, na Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz (Évora).

Já que “está em preparação” o próximo período de programação de fundos da União Europeia (UE), “o primeiro grande objetivo” da campanha é que “as medidas agroambientais sejam dignas desse nome e que não haja apoios” para que “se continuem a utilizar pelo menos os herbicidas”, explicou.

“É o primeiro patamar para que começar a preservar o solo e a biodiversidade que, depois, vai facilitar todo o modo de produção agrícola”, acrescentou.

A campanha, segundo a PTF, visa “excluir o herbicida glifosato dos modos de produção agrícola subsidiados pelas medidas agroambientais para o próximo Quadro Comunitário de apoio (QCA) da Política Agrícola Comum (PAC), devido aos riscos ambientais e de saúde pública” que aquele envolve.

Em Portugal, o setor da agricultura “é o que mais pesticidas consome” e “cerca de 70%” dos herbicidas vendidos no país “são à base de glifosato”, substância potencialmente cancerígena, desatacou à Lusa Alexandra Azevedo.

“Mas não nos interessa substituir o glifosato por um outro herbicida qualquer. Interessa-nos, realmente, preservar o mais possível o solo, não haver mobilização, haver uma cobertura total e os herbicidas serem abandonados”, defendeu.

Por isso, além da aplicação de herbicidas ser excluída dos subsídios pelas medidas agroambientais e de outros objetivos, a campanha pretende “alargar o leque destas medidas para a redução de outros pesticidas e promover a biodiversidade, envolvendo toda a sociedade portuguesa, uma vez que a agricultura é uma atividade basilar que toca a todos”, indicou a PTF, que junta diversas entidades não-governamentais da área do ambiente e agricultura.

Fonte: Lusa


GLIFOSATO. O MAIS VENDIDO

Ao JN, o Ministério da Agricultura adiantou que “o glifosato continua a ser o composto mais vendido em termos nacionais, representando cerca de 69% do volume total de vendas de herbicidas no território nacional”. A sua “eventual retirada do mercado terá de ser avaliado com algum cuidado, de forma a não ter impactos significativos na economia das empresas agrícolas e no rendimento dos agricultores”.

Quanto ao incremento de práticas agrícolas que auxiliem a redução de gases de estufa, o ministério sublinha que está a trabalhar para esse fim no âmbito do roteiro para a neutralidade carbónica (que prevê que o balanço entre as emissões e as remoções da atmosfera dos gases com efeito de estufa seja nulo em 2050) e “não esquece o papel da produção nacional” para atingir os objetivos.