Bio Hortofruticultura

Bioestimulantes Portefólio FITOLIVOS

Bioestimulantes Portefólio FITOLIVOS FITOLIVOS: Parte I.

Ao longo das próximas edições da Voz do Campo a Fitolivos vai apresentar um assunto de muita importância na agricultura atual: Bioestimulantes e seu uso numa agricultura sustentável.

Neste momento temos no nosso portefólio uma gama rica de bioestimulantes de várias empresas que representamos e distribuímos em Portugal. Os nossos bioestimulantes são de várias origens para serem aplicados em vários usos e culturas. Neste momento são alvo de muitos estudos científicos e em 2019 foi aprovado um novo regulamento na Europa António Coelho * que entrará em vigor no ano 2022, por via do qual terá que existir muita informação de cada um dos bioestimulantes. A Fitolivos acaba de incorporar quatro Agrónomos nos seus quadros com a visão de desenvolver um trabalho de formação, informação e desenvolvimento nesta área tão importante. Um desses Agrónomos vai ocupar-se de ensaios de desenvolvimento e ensaios de registo desses mesmos bioestimulantes. Queremos ajudar a nossa agricultura a usar o que de melhor se faz no mundo da bioestimulação.

O que é um Bioestimulante? Se os bioestimulantes têm interesses reais nos rendimentos agrícolas, é necessário primeiro entender o que são e como funcionam assim como as suas diferentes ações nas plantas.

A Comissão Europeia define bioestimulante como “substância que estimula o processo nutricional das plantas, independentemente dos nutrientes que contém, com o único objetivo de melhorar um ou mais das seguintes características das plantas ou da sua rizosfera:

· O uso eficiente de nutrientes

· Tolerância ao stress abiótico

· Características qualitativas

· A disponibilidade de nutrientes confinados ao solo ou à sua rizosfera”.

Os bioestimulantes são assim definidos pela sua ação de estimular os processos naturais das plantas, promovendo a qualidade dos rendimentos.

Compostos por ingredientes naturais, os produtos de bioestimulação podem ser de diferentes tipos: metabólitos de fermentação, extratos de algas ou plantas, microrganismos, fungos, bactérias, aminoácidos, substâncias húmicas, biomoléculas (…) e assumindo diferentes formas, dependendo da utilização e necessidade do agricultor: formulações líquidas, microgrânulos, pós, etc. Estes bioestimulantes podem ser aplicados por via foliar ou radicular (…).

António Coelho, Fitolivos

Desenvolvimento deste e de outros artigos, na edição impressa da Revista Voz do Campo.