Investigação Tecnologia

Investigadores portugueses desenvolvem tecnologia de produção de bioenergia

A bioenergia consiste numa energia derivada da biomassa, uma energia limpa e renovável que ao ser aplicada fomenta uma política energética mais sustentável.

Desde os anos 90 que em Portugal se utilizam centrais de biomassa convencionais, e em 2005, a adoção da Estratégia Nacional de Energia conduziu ao reforço na aposta na bioenergia, através de biomassa residual da floresta. 

O projeto PoliTechWaste (Policy and Technology Analysis of Waste/Biomass Residue Gasification for Energy Production in Portugal) tem foco na gaseificação enquanto tecnologia para produção de bioenergia, promovendo a sustentabilidade económica e ambiental. Os investigadores pertencem ao Instituto Politécnico de Portalegre, à Universidade de Aveiro e à universidade norte americana, Carnegie Mellon. 

Nesta investigação, os principais objetivos foram “compreender a viabilidade do uso de diferentes misturas de biomassa e resíduos orgânicos urbanos para produção de bioenergia a menor custo e de alta qualidade”,  otimizar o processo de produção em unidades com diferentes potências instaladas, e a redução da emissão de poluentes, principalmente os que contribuem para o efeito de estufa. Ao longo do processo foram analisados igualmente os impactos no ambiente, no clima e na saúde humana. 

A comunidade científica defende a gaseificação como alternativa às centrais de combustão, sendo a primeira mais vantajosa em diferentes aspetos. 

As centrais de biomassa convencionais operam através do processo de combustão, que consiste na oxidação total de carbono para produzir energia térmica (gerando eletricidade), mas o processo é menos eficiente, leva à ocorrência de perdas energéticas e produz uma maior concentração de emissões poluentes tais como óxidos de enxofre, óxidos de nitrogénio e partículas.

Já nas unidades de gaseificação a biomassa é transformada num gás combustível (gás de síntese), e a eficiência de produção energética excede 15% os sistemas convencionais, consumindo menos biomassa e sendo menos poluente.  

Até 2020 a estratégia nacional visa implementar 250 MW de capacidade de produção de eletricidade a partir de biomassa florestal, no entanto permanece o sistema convencional. Os resultados do PoliTechWaste podem contribuir para uma mudança nas políticas de estratégia energética nacional.