EMPRESAS & PRODUTOS Fertilização

Plantas Aromáticas – O Poder no nosso Bem-Estar e Saúde

Cultivar plantas aromáticas tem uma tradição milenar desde há 3.000 anos. Cedo se descobriu que certas plantas têm uma influência direta ao nosso organismo quando usadas na nossa alimentação por ingestão, por bebida como chá, atópico sob forma de creme ou outras aplicações. O seu efeito medicinal, aroma e sabor são muito apreciados.

O que é uma planta aromática e medicinal, abreviação PAM?

São plantas temporãs, anuais, vivazes ou mesmo perenes cujas substâncias ativas têm um efeito direto no nosso organismo. Exemplos: salsa, coentros, tomilho, verbena, cebolinho, hortelã, camomila, alecrim, etc.

As plantas aromáticas têm um valor agronómico acrescido na rotação das culturas em consociação, tirando proveito das diversas capacidades: repelir insetos indesejados, atrair insetos desejados, suprimir a propagação de pragas e fungos e servir para a elaboração de caldas de bio pesticidas. Conferem uma vantagem ecológica.

Como cultivar PAM?

Para tirar o máximo proveito aconselhamos o seu cultivo em modo biológico. Por natureza, as substâncias ativas das PAM conferem-lhes uma proteção natural contra doenças e pragas, uma vantagem ecológica que nos permite apostar no modo AB e obter material vegetal limpo e sem resíduos. PAM produzem-se muito bem ao ar livre ou em regime semi-protegido.

As plantas aromáticas são extremamente benéficas num jardim biológico. Cultivadas sem pesticidas nem fertilizantes químicos, atraem muitos insetos, abelhas, pássaros e borboletas, cuja presença é de grande utilidade no jardim e na horta, permitindo níveis elevados de polonização e produção. A grande variedade de PAM com diferentes exigências de solo, de água, pH, horas de sol entre outros fatores, permitem variadíssimas soluções de plantação e cultivo e a escolha de cada planta para seu local apropriado.

Como planificar um jardim aromático?

  1. Para ter sucesso devemo-nos informar bem e escolher as plantas que gostamos e que vamos usar.
  2. A seguir ver as nossas condições e quais culturas que são viáveis. Ter em conta o espaço disponível, água, exposição solar, solo ou vaso/floreira.

Tradicionalmente criamos um jardim aromático, com formas geométricas alinhadas, p. ex retangulares, quadradas, redondas. Ideal para criar relevos com muros em pedras e colocar plantas mediterrânicas como o alecrim e a alfazema em zonas mais secas. Nas zonas mais baixas colocar plantas de maior exigência de água como as hortelãs e hortelãs da ribeira. Criar muros vegetais com função agronómica e estética. A maior parte das PAM cultivam-se bem em vasos e floreiras, em varandas e terraços, na horizontal e na vertical. Excelente solução são plantas culinárias cultivados no interior e/ou perto do local do consumo. As PAM também se enquadram muito bem no meio da horta e alargam a rotação das culturas com todos os benefícios agronómicos.

O segredo de uma boa gestão de regime biológico é uma vigilância permanente. Temos de respeitar as estações Primavera, Verão, Outono e Inverno e acertar com as nossas intervenções.

Técnicas antigas do mulching, ou seja, usar camadas de matérias orgânicas para cobrir o solo evitando a infestação e regular a temperatura do solo/substrato, reduzindo a evapotranspiração. Assim e promovendo uma vida microbiana ativa ajuda a um crescimento harmonioso das PAM para obter altos teores em substâncias ativas tão desejados ao nosso benefício na saúde e bem-estar.

Podemos fazer a preparação do solo com uma fertilização orgânica adequada, utilizando corretivos /adubos orgânicos ou usar substratos indicadas em culturas protegidas fora do solo em vasos ou floreiras.

Plantação no solo: Misturar SIRO Agro 2 ou Húmus de Minhoca com o solo Utilizar Siro Horta Vaso ou floreira: Utilizar Substrato Plantas Aromáticas – SIRO Aromáticas Para drenagem na floreira: SIRO Hydroton Saco de cultivo: SIRO Hortícola Cobertura: SIRO Decor

Soluções SIRO:




Autoria: Hartmut Nestler Diretor I&D – Leal & Soares SA.

Desenvolvimento deste e de outros artigos, na edição impressa da Revista Voz do Campo, edição de maio 2020.