Bio Empresas & Produtos Hortofruticultura Olival & Azeite

Biofertilização Aumento da produção com Ferttybyo

Introdução:

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), manter o crescimento atual exigirá um aumento de 70% na produção de alimentos até 2050.

Perante estes dados, é essencial encontrar uma forma de aumentar o rendimento das culturas, sem esquecer o efeito prejudicial que os fertilizantes químicos têm na contaminação do solo e dos aquíferos.

A investigação, desenvolvimento e inovação levaram empresas como a Arvensis a utilizar microrganismos para melhorar o aproveitamento dos recursos naturais do solo; permitindo uma nutrição correta das culturas, sem apresentar problemas de toxicidade.

Desta forma, estes microrganismos são capazes de aumentar a produtividade das culturas por meio de vários mecanismos, que em muitos casos ocorrem simultaneamente: produção de hormonas vegetais, produção de sideróforos, solubilização de fósforo e silício, mobilização de potássio ou fixação de azoto atmosférico, entre outros. Estes mecanismos geralmente conduzem a um aumento do sistema radicular da cultura, o que facilita a absorção de nutrientes e resulta consequentemente, num maior crescimento.

Ferttybyo

O Ferttybyo é um bioestimulante natural formulado com microrganismos benéficos que facilita a libertação de nutrientes já presentes no solo, disponibilizando-os para a planta.

É um produto certificado pela BCS-ÖKO para uso na agricultura biológica como fertilizante, de acordo com os regulamentos europeus, americanos e japoneses. Os ensaios Para verificar a eficácia do Ferttybyo, foram contratados os serviços do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) em Madrid, considerada a sétima instituição pública de pesquisa a nível mundial1. De seguida, são apresentados os resultados para olival (tabela 1) e para tomate (figura 1).

Tabela 1. Pr abela 1 odução por árvore (kg), produção total (Tn / ha) e peso médio de 100 frutos (g) de árvores testemunha (T1) e tratadas com Ferttybyo (T2). Todos os dados obtidos foram tratados estatisticamente por análise de variância (ANOVA). Letras diferentes (a, b) representam diferenças significativas (p<0,05) aplicando o teste de separação de médias de Duncan. O software utilizado foi o SPSS V.25.

Nas oliveiras tratadas com Ferttybyo, a produção média de azeitona por árvore aumentou 28% em comparação com as oliveiras testemunhas, de forma estatisticamente significativa. No peso médio de 100 frutos, observou-se um aumento de 6% nas árvores tratadas com Ferttybyo em relação à testemunha. O peso total da produção, correspondente a todas as linhas de oliveiras tratadas com Ferttybyo, foi 12% maior do que o de todas as linhas das testemunhas.

Figura 1. Figura 1 Produção de tomate (verde e maduro) (kg / planta), das plantas da
testemunha e tratadas com Ferttybyo. Todos os dados obtidos foram tratados
estatisticamente por análise de variância (ANOVA). Letras diferentes (a, b)
representam diferenças significativas (p<0,08) aplicando o teste de separação de
médias de Duncan. O software utilizado foi o SPSS V.25.

A produção média de tomate por planta (kg/planta) foi 20% maior nas parcelas tratadas com Ferttybyo, comparativamente com a testemunha.

Conclusões

O uso de fertilizantes microbiológicos aumenta o rendimento das culturas, com a vantagem adicional de ser ambientalmente inócuo. Além das culturas mencionadas, o Ferttybyo é especialmente recomendado em amendoeiras e vinhas, culturas em que a potencialidade do produto é máxima, sendo o desenvolvimento radicular potenciado, enquanto fornece os nutrientes já presentes no solo. Isto traduz-se numa significativa economia de fertilizantes.

Autoria: António Coelho

O Ferttybyo é distribuido em Portugal pela Filtolivos e está disponível para todo o país.


Referências:

1.http://www.fao.org/fileadmin/templates/wsfs/docs/Issues_papers/Issues_papers_SP/ La_agricultura_mundial.pdf 2. https://www.csic.es


Desenvolvimento deste e de outros artigos, na edição impressa da Revista Voz do Campo, edição de maio 2020.