Empresas & Produtos Floresta

Lucros da Navigator caem 15,7% em relação ao primeiro trimestre de 2019

A Navigator obteve lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização de 88 milhões de euros (ME) no primeiro trimestre deste ano, menos 15,7% que no mesmo período de 2019, anunciou recentemente a empresa.

Num comunicado hoje enviado à Comissão do Mercados de Valores Mobiliários (CMVM), a Navigator informou que alcançou o “segundo melhor nível de sempre de carteira de encomendas de papel para este período, com o impacto da pandemia a refletir-se a partir de meados de março“.

“O trimestre foi marcado pela melhoria significativa no desempenho operacional das fábricas e pela retoma muito expressiva da carteira de encomendas de papel, tanto em relação ao período homólogo como ao trimestre anterior”, indica a empresa.

A Navigator acrescenta que “a descida de preços de pasta e papel verificada no primeiro trimestre de 2020 (especialmente em relação ao primeiro trimestre de 2019, período em que os preços se encontravam em níveis bastante elevados) foi parcialmente mitigada pela recuperação dos volumes de vendas nos negócios de pasta, papel e tissue”.

Além dos lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (ou Ebitda, Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization) de 88 ME, a Navigator obteve um volume de negócios de 406 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 3,8% que no mesmo período de 2019.

A margem Ebitda/vendas desceu para 21,8% nos primeiros três meses do ano, menos 3,1 pontos percentuais que no mesmo período de 2019.

A empresa indica que o “grupo registou uma melhoria expressiva no desempenho operacional e um aumento global nos volumes de vendas, designadamente 4% no papel, 34% na pasta e 10% no tissue”.

Contudo, a Navigator afirma que o desempenho ficou condicionado pela queda dos preços de venda comparativamente ao primeiro trimestre de 2019, com o índice de pasta BHKP (em euros) a cair 29% e o índicedo papel A4 a recuar 5,5%, mas que a evolução positiva dos custos de produção (fixos e variáveis) permitiu atenuar esta quebra (dos preços de venda).

Os investimentos atingiram 22,7 ME no primeiro trimestre, contra 32,5 ME nos primeiros três meses de 2019.

No comunicado, a empresa também analisa os resultados no primeiro trimestre deste ano em relação aos últimos três meses de 2019, referindo que a produção de papel situou-se 12% acima, com a produção de pasta subir 8% e a de tissue 25%, verificando-se o regresso ao padrão de normalidade.

Em cadeia, no primeiro trimestre, as vendas de papel em quantidade mantiveram-se estáveis (+0,4%), as vendas de pasta ficaram 16% aquém e as vendas de tissue situaram-se 20% acima.

No primeiro trimestre de 2020 face ao último de 2019, o Ebitda cresceu 23%, mais 4,4 pontos percentuais e a margem de Ebitda/Vendas passou de 17,4% para 21,8%.

Os resultados operacionais aumentaram 43% para 48 ME e os resultados líquidos melhoraram em 47%, totalizando 31 ME.

Em relação à posição financeira, a Navigator destaca o pagamento de 100 ME de reservas em janeiro e uma dívida líquida de 800 ME no final do trimestre (contra 715 no final de 2019).

A empresa também indica que se registou um aumento da liquidez imediata para 256 ME no final de março(contra 160 no final de 2019), mantendo uma robustez financeira que permite enfrentar o contexto atual com tranquilidade e com todas as necessidades financeiras para o ano de 2020 asseguradas.

Fonte: Lusa