Agroalimentar Evento realizado Política Agrícola

Webinar: O futuro das políticas alimentares

Vai realizar-se hoje, dia 28 de maio, às 15h00, o intercâmbio de debate sobre “o futuro das políticas alimentares”, contando com a participação do Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, entre outros oradores figuras de relevo a nível global e regional no campo das políticas alimentares (ver outros oradores em baixo).

Os limites e as fragilidades da globalização alimentar tornaram-se mais visíveis no contexto desta pandemia. O futuro do sistema alimentar está em debate! Em particular, o futuro daqueles que não têm acesso a uma alimentação adequada. Em Portugal, cerca de 4 milhões de pessoas afetadas pela pobreza serão seguramente as principais vítimas desta pandemia.

Com a finalidade de partilhar experiências e reflexões entre vários países, a ACTUAR e os parceiros do projeto Alimentação é Direito! promoveram o ciclo “conversas@mesa: intercâmbios internacionais sobre o sistema alimentar pós covid-19” (cartaz geral aqui).

Cada webinar semanal contou com a presença de convidados de diversas esferas (representantes governamentais (nacional e municípios), administração pública, académicos, organizações de agricultores e pescadores, organizações da sociedade civil e ordens profissionais) que dialogaram com animadores da REALIMENTAR – Rede Portuguesa pela Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional.

Algumas das principais conclusões dos debates anteriores a serem discutidas no intercâmbio:

  • A pandemia covid-19 e os impactos da crise socioeconómica consequente tornam inequívoca a necessidade de reforçar os sistemas alimentares locais sob o compromisso de uma maior sustentabilidade social, económica, cultural e ambiental dos territórios;
  • As pessoas mais vulneráveis à pobreza, à insegurança alimentar e nutricional e, consequentemente, às doenças relacionadas com a alimentação desadequada, são os grupos alvo de atenção pública prioritária no pós-Covid19;
  • A Agricultura Familiar (AF) está a mitigar os efeitos da crise sanitária, contribuindo para garantir o direito à alimentação e nutrição adequadas em todo o mundo. A atual situação surge como potencial oportunidade para a AF, mas a sustentabilidade a longo-prazo da AF implica a sua inserção em políticas públicas intersetoriais ao nível nacional e local;
  • As compras públicas de alimentos agroecológicos são um instrumento fundamental para reforçar a produção e comercialização local de alimentos saudáveis e acessíveis aos grupos mais vulneráveis e um vetor de promoção das economias locais. As experiências partilhadas demonstraram que é possível operacionalizar estas compras públicas a nível local e a sua ampliação necessita de uma política nacional de apoio
  • O consumo de proximidade poderá trazer nova e maior importância às organizações de produtores e pescadores, ao Estatuto da agricultura familiar e a sistemas de certificação participativa que devem ser testados e estimulados;
  • Prevendo-se readequação das estratégias do setor agroalimentar globalizado, a Covid-19 poderá acelerar o surgimento de novas cadeias de produção de alimentos saudáveis, reconfigurando a posse e a utilização dos recursos naturais ao nível territorial; tal reconfiguração e relações de força decorrentes deverão ser tomadas em conta na elaboração e implementação de políticas de desenvolvimento territorial;
  • Importância da criação de quadros institucionais adequados para uma governança intersectorial democrática, transparente e participativa da produção alimentar e da alimentação, como sejam os Conselhos Municipais de Alimentação e a ativação do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Inscrições gratuitas mas obrigatórias aqui:  https://forms.gle/yausGe8js4RxFh1r8    

Oradores:

Nuno Russo: Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural (Portugal). Licenciado em Engenharia Zootécnica e MBA em Administração Pública. Ex-coordenador da Bolsa Nacional de Terras e ex-Diretor Regional da Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo.

Sofia Monsalve: Secretária-Geral da FIAN International, organização presente em cerca de 50 países, com status consultivo junto ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) e participação ativa em órgãos internacionais como a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) e no Sistema Interamericano de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos).

Francisco Sarmento: Doutor em ciências sociais e pós-doutorado em governança da segurança alimentar. Responsável pela elaboração da Estratégia Regional de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Ex-representante da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) em Portugal e junto da CPLP.

Sara Pais: Gestora de projetos na Fundação Calouste Gulbenkian no âmbito do programa Cidadãos Ativ@s que gere um fundo EEA Grants (Islândia, Liechtenstein e Noruega).

Joana Dias: Doutora em Governação, Conhecimento e Inovação e Mestre em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. É, desde 2017, membro eleito do Comité de Coordenação do MSC no Comité Global para a Segurança Alimentar (CSA). Atualmente coordena o projeto Alimentação é Direito!