Ambiente Investigação Rega

Projeto multinacional SolAqua promove irrigação com zero emissões

A Cátedra Energias Renováveis da Universidade de Évora (CER-UÉ) é a única entidade portuguesa a integrar o consórcio do projeto SolAqua – Accesible, reliable and affordable solar irrigation for Europe and beyond, focado em irrigação fotovoltaica de alta potência com apoio do programa Horizonte 2020.

A irrigação solar permitirá o fornecimento de energia para irrigação com zero emissões e um custo até 70% inferior às soluções à base de combustíveis fósseis existentes.

Aumentar a quota de energias renováveis na Europa é o principal objetivo deste projeto coordenado na UÉ por Luís Fialho, ao combinar tecnologia fotovoltaica e hidráulica com irrigação de alta eficiência reunindo para tal, 11 organizações de seis países (Portugal, Espanha, França, Itália, Marrocos e Roménia).

O modelo energético da agricultura europeia exige grande quantidade de energia para bombear água para as culturas de regadio, que implica uma pesada fatura de 4 mil milhões de euros, além de custos ambientais associados às 16 milhões de toneladas de CO2 produzidas todos os anos, que representam cerca de 15% das emissões totais de CO2 da agricultura da União Europeia (UE). Neste quadro, a irrigação solar tem um enorme potencial de aplicação, apenas desaproveitado por barreiras não tecnológicas, como falta de consciência e de competências em irrigação solar entre os irrigadores, PME locais e autoridades públicas.

De acordo com o investigador da CER-UÉ, Luís Fialho, “o mercado para adoção da tecnologia de irrigação fotovoltaica de alta potência encontra-se num ponto crítico de evolução de um mercado ainda imaturo” pelo que este projeto “irá criar e fomentar as condições para uma evolução com sucesso para um mercado consolidado, com elevada proteção do consumidor final, redução de custos e de preço da energia mas também alto nível de inovação.”

O investigador recorda que a Cátedra Energias Renováveis tem vindo, desde 2010, a desenvolver tecnologias de energia solar e de armazenamento de energia, de modo a potenciar o contributo da energia solar para a Transição Energética relevando ainda que existe uma instalação-piloto em Alter-do-Chão, (ver foto) que utiliza tecnologia semelhante à que será desenvolvida pelo projeto SolAqua.

Numa primeira fase, este projeto pretende produzir sete materiais e ferramentas de habilitação-chave para adoção do mercado de irrigação solar, como a definição de padrões de qualidade e de metodologias de avaliação económica e ambiental. Numa etapa posterior, será promovido um plano de divulgação e de comunicação, direcionado para partes interessadas na Europa e norte de África, sobre irrigação solar e sobre o plano de exploração do SolAqua. Este plano, que contempla um instrumento de apoio a ser replicado das autoridades públicas a investimentos em irrigação solar, permitirá o desencadear de um mercado funcional de irrigação solar.

O consórcio SolAqua integra a Universidad Politécnica de Madrid, Euromediterranean Irrigators Community, Conference des Regions Peripheriques Maritimes d’Europe – Association, Consiglio dell’Ordine Nazionale del Dottori Agronomi e dei Dottori Forestali, Universidade de Évora, Universita degli Studi Veterinaire Hassan II, Departamento de Agricultura Ganaderia y Medio Ambiente. Gobierno de Aragón, Conselleria de Agricultura, Medio Ambiente, Cambio Climático y Desarrollo Rural, Abarca Companhia de Seguros SA e Calarasi County Council.