Opinião

Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural

O regadio tem um importante impacto benéfico em termos socioeconómicos nos territórios rurais

Gonçalo de Freitas Leal, Diretor-geral da DGADR

“Está em preparação o Programa Nacional de Investimentos 2030, que pretende enquadrar os grandes investimentos a realizar na década 2020-2030. Este programa atende à evidente perspetiva das alterações climáticas e à consequente necessidade de adaptação dos sistemas de produção, dando seguimento a esta estratégia de intervenção baseada na consolidação das áreas regadas existentes e na criação de novas reservas hídricas e respetivas áreas regadas, com um investimento total previsto de 750 Milhões de euros, distribuídos por dois programas: “Revitalização do regadio existente” (350 milhões de euros) e “Aumento da área regada” (400 milhões de euros). No norte e centro do país, foram construídas ou modernizadas recentemente com sucesso obras de aproveitamento hidroagrícola de interesse regional em áreas marcadamente de minifúndio, como sucedeu nos perímetros de SabarizCabanelas, Burgães, Baixo Mondego, Lis, Cela e Óbidos.”