Opinião

EDIA

A campanha que tem existido contra o olival moderno não faz qualquer sentido e não tem fundamentação científica nenhuma

José Pedro Salema, presidente do Conselho de Administração da EDIA ( Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva )

“A EDIA está do lado da ciência, por isso não tomamos partidos. Não queremos ver uma cultura valorizada ou destacada, mas também não queremos ver nenhuma cultura desvalorizada sem qualquer razão” e acredita que “a campanha que tem existido nos últimos tempos contra o olival moderno não faz qualquer sentido e não tem fundamentação científica nenhuma.

A oliveira é talvez a espécie de utilização agrícola mais antiga da Península Ibérica e faz-se azeite na região do Alqueva há milénios. Portanto, estamos a falar de uma árvore completamente adaptada ao nosso clima e solo e o que fazemos atualmente no século XXI é que usamos o conhecimento e a técnica para potenciar o desenvolvimento da oliveira, tal como fazemos em toda a agricultura.

Hoje, o olival moderno no Alqueva utiliza água e com isso consegue rendimentos fantásticos. Depois consegue ser muito mecanizada, o que aumenta o rendimento de trabalho e isso é positivo, porque conseguimos gerar mais riqueza e mais produto na região.”