Floresta

REN planta 27 mil medronheiros em Penacova e reconverte 110 hectares de floresta

Em comunicado, a REN adianta que esta reconversão florestal será realizada “ao longo dos corredores de transporte de energia”, numa área entre a serra da Atalhada, rio Alva e a Central da Aguieira, “promovendo o restauro dos ecossistemas e o aumento da biodiversidade”.

A empresa Redes Energéticas Nacionais (REN) anunciou hoje um projeto de reconversão de 110 hectares de floresta em Penacova, distrito de Coimbra, com a plantação de mais de 30 mil espécies autóctones, 27 mil das quais medronheiros.

Em comunicado, a REN adianta que esta reconversão florestal será realizada “ao longo dos corredores de transporte de energia”, numa área entre a serra da Atalhada, rio Alva e a Central da Aguieira, “promovendo o restauro dos ecossistemas e o aumento da biodiversidade”.

Citado no comunicado, João Gaspar, responsável da área de Servidões e Património da empresa, diz que a operação representa “a continuidade do trabalho de ordenamento” dos corredores de transporte de energia da REN em todo o país.

“Com a conclusão deste novo projeto em Penacova, passamos a ter mais de 53% da área florestal reconvertida neste concelho, substituindo espécies de rápido crescimento e maior propensão a incêndios por espécies autóctones de crescimento mais lento e geradoras de rendimento anual para os proprietários dos terrenos”, afirma.

A REN quer ainda “incentivar uma intervenção mais ativa dos proprietários nos seus terrenos, assegurando uma melhor gestão dos mesmos e permitindo aos donos a obtenção de rendimentos de áreas que muitas vezes estavam ao abandono”, assinala João Gaspar.

A dimensão económica passa pela “reabilitação da economia local à base do medronho e medronheiro”, com envolvimento dos proprietários dos terrenos por onde passam as linhas de média e alta tensão da REN, que possui uma servidão para esse efeito.

“Nestas reconversões foram abrangidos mais de 15 mil proprietários, que têm a possibilidade de obter algum rendimento de terrenos que estavam frequentemente ao abandono, promovendo, ainda, o aumento da biodiversidade”, assinala a empresa.

Por outro lado, na prevenção de incêndios rurais as Redes Energéticas Nacionais garantem que têm vindo a realizar ações de limpeza dos corredores de transporte de energia, tendo sido limpos “mais de 30 mil hectares” nos últimos cinco anos.

“Só em 2019, a REN atuou em mais de oito mil hectares (31 hectares/dia). Este trabalho é efetuado em terrenos que não pertencem à REN, o que implica um contacto com os proprietários antes de qualquer intervenção. Nos últimos anos, este trabalho envolveu o contacto com mais de 25 mil proprietários por ano”, destaca.