Cereais EMPRESAS & PRODUTOS Floresta Hortofruticultura Sanidade vegetal

Em Valada do Ribatejo os ensaios não pararam

Ao longo da implementação da AgroGlobal do terreno também a área dedicada aos ensaios foi ganhando terreno e a cada edição as empresas esforçam-se por aplicar as suas mais recentes novidades e tecnologias para apresentar ao público: os agricultores.

Este ano a Covid-19 veio interromper os planos mas as culturas já estavam planeadas e algumas instaladas por isso os trabalhos continuaram e as plantas desenvolvem-se a bom ritmo. Acompanhámos alguns dos ensaios instalados em Valada do Ribatejo e comprovamos no terreno que a agricultura não parou. Os campos de tomate de indústria, milho, cenoura, batata e espécies florestais desenvolvem-se a bom ritmo, prontos para demonstrar resultados em setembro.

Tomate de indústria

Rui Vieira é agricultor e o responsável pelos campos de ensaios de tomate de indústria no âmbito da AgroGlobal.

Anualmente cultiva na ordem dos 300 hectares de tomate e em seu entender a cultura tem revelado uma grande evolução em todos os níveis (maquinaria agrícola, adubos, fitofármacos …).

João Lourenço e Casimiro Soares, respetivamente diretor comercial e administrador, no campo de ensaios de tomate de indústria sob responsabilidade da TECNIFERTI®

TECNIFERTI®

A TECNIFERTI® é uma das empresas que tem investido bastante em inovação e para a qual o tomate de indústria é uma cultura bastante representativa ao longo dos seus 34 anos de atividade.

De acordo com a explicação do seu diretor comercial, João Lourenço, o ensaio que tem a decorrer no âmbito da AgroGlobal assenta em três pontos fundamentais. O primeiro é a redução de passagens de máquinas na preparação das terras e da cultura. Um trabalho orientado para que toda a fertilização seja aplicada através da gota-a-gota, sem qualquer fertilização de fundo nas movimentações de terra. De acordo com o mesmo, desta forma é possível conduzir melhor as plantas e ao mesmo tempo poupa-se um valor significativo de passagens de máquinas e distribuições de adubos e faz-se toda a aplicação e distribuição através da gota-a-gota.

Por outro lado, utilizou-se uma tecnologia que consiste em aplicar o Humigel® B juntamente com o herbicida (dose convencional de herbicida em calda com 50% de água e 50% de Humigel® B), sendo este produto composto por uma molécula de origem vegetal e rico em ácidos fúlvicos que pelo seu efeito de gel permite melhorar a retenção de água no solo e dar maior persistência ao herbicida melhorando a sua eficácia.

Este é um ponto determinante na cultura do tomate já que a partir de determinada altura ou as infestantes são retiradas à mão (altos custos de mão de obra) ou já não podem ser retiradas porque a maior parte dos herbicidas vão prejudicar a cultura.

O terceiro aspeto apontado por João Lourenço é o tratamento da cultura desde o seu início até ao final, com biofilmes, ou seja produtos da família “Humigel Plus®”, fertilizante foliar que funciona como uma barreira protetora nas folhas e nos frutos, formando uma película (filme biodegradável) que evita a perda de água por transpiração. A película é formada por uma molécula hidratante que absorve a água (dilatação) formando uma camada protetora que vai libertando a água lentamente (contração), ajudando também à prevenção de doenças.

O primeiro a ser aplicado foi o Humigel Plus® P, preventivo de míldio ao mesmo tempo que favorece a floração e vingamento dos frutos.

Seguiu-se o Humigel Plus® S, rico em enxofre que na sua decomposição liberta gás sulfídrico funcionando como repelente para muitos insetos e ácaros.

Nesta fase de tempo mais quente avançou-se ainda para a aplicação de Humigel Plus® A, argilas derivadas do caulino, ricas em dióxido de silício, que atuam como uma barreira física e refletora da luz, protegendo as culturas das queimaduras solares. O silício fortalece a estrutura celular da planta tornando-a mais resistente a pragas e stresse hídrico.

O campo é uma conjugação destes três pontos, em quatro variedades de tomate ISI, duas das quais com mais área e outras duas de demonstração e de acordo com João Lourenço estão a mostrar um bom potencial produtivo, mesmo não sendo uma fertilização muito rica em azoto.

Alguns destes produtos já estão no mercado há alguns anos, mas agora estão a ser aplicados com uma nova abordagem e embora já hajam produtores de tomate a utilizarem algumas destas tecnologias, neste ensaio “está tudo a ser usado de uma forma coordenada, para que as pequenas características e mais-valias que os diversos produtos têm, aplicados nas alturas certas, contribuam para uma mais-valia efetiva na cultura”. Como resultado final pretende-se que o produtor consiga melhorar a rentabilidade da cultura e isso passa por vários fatores e não necessariamente aumentar a produção.


ADP Fertilizantes

O campo de tomate de indústria com o plano de fertilização da ADP Fertilizantes tem uma área de três hectares e incide em três variedades de empresas diferentes.

O campo foi plantado nos dias 9 e 10 de maio e a previsão de colheita é para os dias da AgroGlobal.

Na adubação de fundo aplicou-se a formulação Master 10 (8-12-12), na dose de 600 quilos por hectare, que beneficia da tecnologia AntiOX e está enriquecida de vários micronutrientes.

Cerca de 20 dias depois foram aplicados adubos sólidos solúveis e à data da reportagem no terreno (segunda quinzena de julho) fazia-se fertirrigação com Nutrifluid Impulse, adubo líquido claro diferenciado (lançado no mercado no corrente ano) com a tecnologia eON, constituída por um consórcio de moléculas poli-aniónicas ativadas que funcionam como um impulsor energético, permitindo que se melhore a respostas da planta, reduzido a necessidade de energia.

Paula Rodrigues, do apoio técnico da ADP Fertilizantes

Além destas duas adubações o programa passa ainda pela adubação foliar com Profertil, um adubo líquido totalmente constituído por algas marinhas do género Ascophyllum nodosum que conferem efeitos bioestimulantes e mecanismos de defesa reforçados às plantas contra condições adversas.



Pioneer

O ano de 2020, em Portugal, será lembrado por um início sob a ameaça de uma seca extrema e pelo efeito devastador da pandemia Covid. Motivados pela atitude dos agricultores, a organização da AgroGlobal e a Pioneer, a principal marca do grupo Corteva, mantiveram a sua atividade no campo, perseguindo o seu principal objetivo de “A Agricultura não pára na sua nobre missão de produzir alimento”!

No ensaio de valor agronómico para tomate de indústria em reprentação da ISI SEMENTI, s.p.a., a Pioneer tem diferentes soluções de elevado potencial produtivo, com diferentes caraterísticas agronómicas e diferente utilização pela inddústria de concentrado.

O ensaio apresenta-se sanitariamente perfeito, vegetativamente exuberante e com um potencial produtivo excecional. É monitorizado regularmente pelos técnicos Pioneer e avaliado no final do ciclo cultural.



Fertinagro

O campo de ensaios com fertilização da responsabilidade da Fertinagro ocupa três hectares. Todas as soluções aplicadas são desenvolvidas com foco na microbiologia do solo, enriquecidas com indutores metabólicos que estimulam toda a parte microbiológica benéfica às plantas. De acordo com as palavras da técnica da empresa, Joana Lisboa, a intenção é tirar partido desta microbiologia para assim gerar uma boa fertilidade do solo, com uma grande disponibilidade de nutrientes para a cultura. Desta forma, garantem o máximo aproveitamento das unidades de fertilizante existente assegurando as unidades de fertilizantes aportadas.

O plano de fertilização que começou com adubações de fundo, foi a única variável, enquanto que a adubação foliar foi igual para os três hectares.

Nos produtos utilizados há a destacar o Efisoil Renovation, Regenerador biológico dos solos e estimulante da atividade radicular, favorece o desenvolvimento e a interação dos microrganismos com as plantas, uma vez que fornece elementos chave para a sua potenciação e multiplicação. A aplicação de Efisoil Renovation veio melhorar a estrutura do solo, aumentar a capacidade de retenção de água e favorecer o desenvolvimento radicular da cultura. Ao melhorar o complexo de troca catiónica do solo protege e mantém disponíveis catiões como o potássio, cálcio e magnésio, favorecendo a sua mobilização e assimilação pelas raízes.

Joana Lisboa, técnica da Fertinagro

Também Efisoil Superbia, um fisioativador vegetal biológico que aumenta da eficiência das vias metabólicas necessárias para o crescimento vegetal, aumenta dos mecanismos de defesa naturais contra organismos patogénicos e os mecanismos de defesa contra as condições climáticas adversas reforçando as defesas naturais das plantas para que resista às elevadas temperaturas.

Defensora deste tipo de soluções, Joana Lisboa é da opinião que o futuro da agricultura passa pela microbiologia do solo, dado que as unidades de fertilizantes têm de ser reduzidas face à saturação que os solos apresentam e à própria legislação que aponta para a redução dos mesmos.

Analisando o ensaio, admite que tem sido um ano muito desafiante porque a chuva veio atrasar as plantações e houve um ataque de nemátodos, que ainda assim foi possível recuperar, agora são as temperaturas altas que podem vir a condicionar a cultura. No entanto, a boa nutrição da cultura permitiu uma melhor resistência a estes fatores e uma boa recuperação das parcelas debilitadas, por isso acredita-se nos bons resultados.



Milho

TECNIFERTI®

No caso do milho a TECNIFERTI® está a realizar um ensaio com sementes Pioneer®, com a fertilização toda aplicada por pivot com objetivo de simplificar operações e evitar custos de máquinas.

Após a sementeira foram aplicados 900 quilos de H15 PlusGel com 10% de MicroGel®, um produto que tem como características a conservação da humidade no solo, redução da evaporação de água do solo (…) resultando em germinações mais homogéneas e plantas com maiores enraizamentos.

Na fertilização de cobertura foi aplicado o NITROGEL® Z, uma solução com 30% de azoto e zinco, também com gel e que além de produzir um efeito laminar nas folhas e reduzir a transpiração da parte foliar da planta, ajuda a segurar o elemento químico no solo e fazer com que as perdas por lixiviação sejam muito reduzidas. Diz João Lourenço que é um produto já muito experimentado e que tem provas dadas em termos de resiliência do azoto e resistência às lixiviações.

Do que podia ser observado à data da visita ao campo (meados de julho) o “milho está muito bem apresentado e pelas observações que têm sido feitas, está a cumprir com as expectativas”.


Aquagri

Na globalidade do ensaio montado pela Syngenta, com diferentes variedades de milho, adubações e estratégias de controlo de infestantes, o contributo da Aquagri está relacionado com a gestão da água de rega no pivot onde decorrem os ensaios referidos, tendo sido instalada uma sonda Drill&Drop da Sentek que permite medir a humidade, temperatura e salinidade do solo até aos 60cm, medindo de 10/10cm.

O objetivo da participação da Aquagri neste trabalho prende-se essencialmente com a necessidade que continua a existir de mostrar aos agricultores que existem sistemas simples de monitorização da dinâmica da água no solo, que são extremamente importantes para o apoio à gestão da rega, um dos fatores mais importantes para o sucesso desta cultura.

Por outro lado, a informação que disponibiliza aos técnicos da Syngenta é também ela muito importante para que estes possam ir acompanhando em tempo real aquilo que se vai passando no campo, especialmente no que diz respeito à rega. Contudo, como a aplicação – Myirrigation – também permite visualizar imagens de satélite, é possível adicionar mais algumas camadas de informação para que se consiga ter um bom panorama do que vai acontecendo ao longo do ciclo da cultura.

O potencial produtivo do milho está bem marcado na sua genética, mas ao longo da campanha vai sendo perdido por diversas razões, sendo a rega um dos pontos essenciais para que esse potencial se mantenha elevado, daí que a correta gestão da água de rega seja um fator chave para aumentar a sustentabilidade económica e ambiental das explorações agrícolas modernas.

Até meados de junho o ensaio está a decorrer como planeado, com os técnicos da Syngenta a acederem à plataforma da Aquagri para poderem ir recomendando/ sugerindo algumas modificações ao planeamento de rega, com intuito da sua otimização.


Bayer/Dekalb

Do ponto de vista da Bayer/Dekalb o projeto de ensaios desenhado nos campos de Valada (AgroGlobal) tem várias vertentes, desde soluções integradas entre genética, herbicidas e tecnologias digitais.

Os objetivos destes ensaios e campos demonstrativos passam por apresentar a solução integrada Bayer para a cultura do milho, tendo sempre como finalidade maximizar a produção dos híbridos de forma sustentável, fazer com que expressem todo seu potencial e maximizem o rendimento dos agricultores.

Ao nível da genética dispõe de um ensaio de híbridos pré-comerciais e comerciais, nos ciclos médio-largos, com destaque para a adaptabilidade às nossas condições e maximização do potencial produtivo: DKC6808 – híbrido de grão com excelente porte, tolerância ao Cephalosporium, muito produtivo e rústico; DKC6492 – híbrido com uma sanidade excecional ao Cephalosporium, bom porte, produtivo e com excelente vigor inicial; DKC6308 – híbrido de dupla aptidão, neste caso semeado com finalidade de silagem, fantástico Stay-Green, elevado porte e apresenta boa maçaroca; DKC6092 – híbrido com aptidões de Gritz, muito bom vigor inicial, planta média/ alta e elevado potencial produtivo.

Ainda no campo da genética, destaca-se o trabalho que está a ser desenvolvido no tema das densidades de sementeira, ou seja, neste momento existem dados dos híbridos Dekalb que permitem fazer recomendações de densidade, em função da finalidade (grão ou silagem), tipo de solo e potencial produtivo de cada parcela. “Um mesmo híbrido poderá ter comportamentos distintos perante diferentes cenários, então porque razão o vamos semear sempre na mesma densidade. Se isto é verdade quando falamos de parcelas diferentes o mesmo se pode falar dentro do mesmo campo, daqui nasce outro conceito – Densidade variável dentro da mesma parcela”, explica a empresa. Ou seja, para cada parcela ou dentro da mesma, um determinado híbrido poderá ter diferentes densidades, em função dos parâmetros atrás descritos, assim nascem os conceitos das “Densidades Personalizadas Campo a Campo” e “Densidade Variável dentro da mesma Parcela”.

Nos herbicidas o destaque da empresa é para o Adengo, herbicida de pré-emergência, com amplo espetro de controlo das infestantes, eficaz nas principais espécies anuais (gramíneas e dicotiledóneas), ação via foliar e radicular, elevada persistência nos momentos de maior competição das infestantes, os seus dois modos de ação favorecem a gestão de populações resistentes e a presença de ciprosulfamida assegura a seletividade para a cultura.

Estes ensaios estão a ser acompanhados pela plataforma digital FieldView, onde é possível aceder aos mapas de sanidade da cultura, com imagens semanais, que permite detetar anomalias/problemas nos campos por antecipação e georreferenciar as ditas “manchas” nos mapas apresentados, fazer relatórios de visitas com PIN’s marcados no terreno, de modo a ficar com todo historial da parcela. Outra mais valia são os mapas semanais de consumo de água pela cultura do milho, o que ajuda a fazer uma melhor gestão da rega em picos de calor como o que se sentiu durante o mês de julho.


ADP Fertilizantes

O campo demonstrativo de milho da responsabilidade da DEKALB foi desenvolvido em 5 hectares de um pivot, em parceria com a ADP Fertilizantes. A cultura foi semeada nos dias 2 e 3 de maio, para que a colheita de milho silagem viesse a acontecer precisamente nos dias da AgroGlobal.

A fertilização de fundo começou com a aplicação localizada de Master Starter (17-25-0), com uma dose de 300 quilos por hectare, seguida de adubação a lanço com Master K (0-6-30), na dose de 600 kg por hectare. Os dois fertilizantes pertencem à linha Plusmaster, uma linha inovadora e exclusiva da ADP Fertilizantes, fabricada com a tecnologia AntiOX. Esta baseia-se num complexo de minerais siliciosos ativado que aumenta o teor de antioxidantes nas plantas, reforçando muito ativamente o metabolismo das plantas, ultrapassando o stress oxidativo causados por fatores ambientais, e tornando as culturas mais produtivas.

Na sacha, 10 dias após a sementeira, realizou-se uma adubação de cobertura com o adubo Nergetic Dynamic S+ (DS+), na dose de 600 quilos por hectare. Trata-se de um adubo com a tecnologia C-PRO, com azoto nítrico e amoniacal, enriquecido com enxofre, cálcio e boro. Esta tecnologia consiste num polímero regulador que reveste os grânulos, protegendo todos os nutrientes de perdas de lixiviação, sem impedir que os mesmos sejam libertados de imediato.

Em todo o pivot, aplicou-se ainda 100 unidades de azoto, através da solução azotada 32N, acrescenta a técnica de apoio técnico da ADP, Paula Rodrigues.

Do conjunto de fertilizantes que a ADP Fertilizantes selecionou para o campo de milho, a linha de adubos Plusmaster é a mais recente da empresa em termos de adubos sólidos (lançada no ano passado), indo ao encontro de conferir maior resistência às culturas, superando as produções habituais. Os adubos Nergetic DYNAMIC também são relativamente recentes (desde 2018) e são únicos no mercado, por terem o azoto nítrico e todos os nutrientes totalmente protegidos. Todos estes fertilizantes permitem melhorar a eficiência de utilização dos nutrientes, rentabilizando o investimento efetuado em adubação.

Paula Rodrigues admite que quando estas novidades tecnológicas são lançadas, alguns agricultores sentem-se um pouco renitentes na sua utilização e depois de experimentarem acabam por reconhecer com satisfação os resultados, mantendo-se fiéis.


Fertinagro

São 4 hectares com um plano de fertilização completo elaborado pela Fertinagro. Foram aplicadas duas gamas de produtos, a Gama Renovation Fuerza, fertilizantes minigranulados, complexos, completos e tecnológicos e a Gama Agristart, fertilizantes microgranulados de alta eficiência para aplicação ultralocalizada na rizosfera.

Estas duas gamas têm como característica principal a Tecnologia PROLIFE que disponibiliza substâncias precursoras para o desenvolvimento de microrganismos que melhoram a fertilidade do solo e que estimula os processos fisiológicos das plantas.

As várias tecnologias incorporadas nestas gamas vão ativar toda a flora microbiana do solo, nomeadamente a tecnologia AMINOVIT que vai fornecer aminoácidos livres à cultura melhorando a capacidade de resposta a todo o tipo de stresses (salino, hídrico, térmico e fisiológico).

Contêm também a tecnologia DURAMON, a tecnologia que garante libertação gradual do azoto, conseguindo desta forma aumentar a eficiência do azoto (reduzindo as perdas), aumentar a presença de formas amoniacais e reduzir os problemas de contaminação.

E a tecnologia PROTECT, que impede a imobilização do fósforo nas estruturas do solo, graças à ação de leonarditas e enxofre orgânico incorporados nesta tecnologia que garantem uma maior percentagem de fósforo disponível para as plantas e por um maior período de tempo.

A expectativa que têm é grande relativamente à produção, dado o bom potencial vegetativo, o bom desenvolvimento dos caules e das maçarocas.


Pioneer

A Pioneer dispõe de dois ensaios de milho instalados nos campos da AgroGlobal.

O ensaio instalado no pivot pequeno tem um catálogo vivo de variedades de milho de ciclos médios e longos como exemplo de algumas das principais soluções genéticas para as mais distintas utilizações industriais. Neste ensaio está igualmente presente a primeira variedade de milho BMR, comercializada em Portugal.

Já o ensaio de valor agronómico, dispõe das mais recentes variedades de milho Pioneer, em ciclos médios e longos, com o propósito de potenciar o rendimento em ambientes de alta produtividade. Dispõe igualmente de duas variedades Waxy para a extração de amido.

Os ensaios apresentam-se sanitariamente perfeitos, vegetativamente exuberantes e com um potencial produtivo excecional. São monitorizados regularmente pelos técnicos Pioneer e avaliados no final do ciclo cultural.


Cenoura

Demonstração de eficácia MycoUp+VitaSoil Agroglobal-Hubel Verde

Com o crescimento exponencial da população, segue-se a degradação e falta de solos férteis, assim como uma menor disponibilidade e qualidade da água. Estes fatores são fulcrais para o bom desenvolvimento agrícola.

A maioria das plantas beneficia de um bom ecossistema do solo, onde a presença e interação com microrganismos associativos benéficos é comum e indicativa de um solo saudável. MycoUp é um inoculante micorrízico à base de Glomus iranicum var tenuihypharum inoculado sobre substrato sólido de mineral argiloso. Glomus iranicum var tenuihypharum atua, numa relação simbiótica de benefício mútuo, onde a planta proporciona açúcares indispensáveis à sua sobrevivência, enquanto este se associa ao penetrando na raiz e estendendo-se para o solo, fundamental para o aumento significativo a área absorvente da raiz, o que resulta numa transferência mais eficiente de nutrientes e água. A este tipo de fungos micorrízicos dá-se o nome de fungos micorrízicos arbusculares (FMA).

Glomus iranicum var tenuihypharum é resistente a ambientes de elevada salinidade e tolera elevadas concentrações de fertilizantes. Tem ainda a particularidade de ter esporulação externa à raiz, o que pressupõe não só uma continuidade radicular sem interrupções, como um menor custo energético para a planta, o que assegura um transporte mais eficiente de nutrientes e água.

Por outro lado, a acumulação de nitratos nos solos e nos cursos de água é uma das principais causas de poluição proveniente da atividade agrícola. O uso excessivo de produtos azotados é prática comum, e, um problema que tende em persistir. A biotecnologia ao serviço da agricultura veio mitigar estes excessos.

A fixação de azoto atmosférico por parte de bactérias é um processo essencial para a obtenção do azoto necessário ao desenvolvimento das plantas uma vez que o azoto disponível no solo não será suficiente para garantir o cumprimento das necessidades básicas deste elemento. Azotobacter spp. e Azospirillium spp são 2 tipos de bactérias simbiontes responsáveis por este processo e que representam em parte não só uma alternativa biológica mas também sustentável e rentável na redução do uso de fertilizantes azotados inorgânicos e matéria orgânica ao aportar à planta de forma mais eficiente o azoto necessário à sua atividade.

A associação entre raiz e fungo (micorrizas) é uma das parcerias mais bem-sucedidas de todas e que permite às plantas um melhor e mais vasto sistema de transporte de nutrientes, que pode até mesmo servir de “comunicação” entre plantas dando origem a trocas de nutrientes, água e proteção contra patógenos. Assim, o objetivo desta demonstração é verificar a eficácia deste produto na produção de cenoura, que é uma cultura com peso e tradição na realidade agrícola portuguesa.


Floresta

A TECNIFERTI® avançou com ensaios em floresta na última edição da AgoGlobal, tanto com espécies autóctones como de eucaliptos. No caso desta última espécie há uma área onde foi especificamente utilizada a tecnologia de libertação faseada de saquetas com Humigel® B e outra onde foi usado um produto mineral 20.6.3 com Boro.

Em termos comparativos, avança João Lourenço, “embora no caso dos eucaliptos com adubo mineral as plantas tenham tido um arranque mais exuberante, a associação dos ácidos fúlvicos do produto orgânico, com o facto de ajudar a conservar água, fez com que ao longo do tempo as plantas se fossem aproximando do crescimento das outras e neste momento apresentem praticamente o dobro do porte das que tiveram o tratamento mineral. A dois anos de distância é claro o benefício de trabalhar com a fertilização orgânica em espécies florestais”. As plantas autóctones instaladas (medronho, carvalho, sobreiro) estão a seguir o seu desenvolvimento e conseguiram desenvolver-se bem.

Lateralmente, este ano também foram instalados sobreiros (sementes de bolota) com várias variantes para análise, com as saquetas de Humigel® B, regadas e não regadas e ainda sem a sua presença. Nesse ensaio, junto com o Humigel® B foi adicionado um novo produto, o Humigel® Mulching, um substrato de origem vegetal, que ajuda também a conservar mais água na caldeira (parte interior das saquetas que faz um anel), tudo para que desde a sua instalação a planta tenha todas as condições para emitir raízes e ir à procura de água, ultrapassando mais facilmente fase de tempo mais seco.

A empresa acredita que estas tecnologias serão igualmente benéficas em culturas como a nogueira e a amendoeira, que estão em expansão e pelo facto de terem consumos de água muito elevados necessitam de “ajudas para segurar a água”.

TECNIFERTI®. Fortemente centrada também nas culturas biológicas

O administrador da TECNIFERTI®, Casimiro Soares, recorda que com 34 anos de atividade esta se dedica à produção e comercialização de fertilizantes líquidos, os quais se refletem em soluções simples e inovadoras para a agricultura nacional e internacional. Há uns 15 anos o trabalho da empresa focou-se na perspetiva da economia da água e através da fertirrigação comanda as plantas nesse sentido. Fortemente centrada também nas culturas biológicas neste momento dispõe de uma loja online que está a ter bastante sucesso e onde brevemente estarão disponíveis algumas espécies florestais autóctones, numa pequena caixa, em que se adquire a semente dentro das saquetas, com substrato e o Humigel® B e com objetivo de influenciar a forma como se faz floresta em Portugal.


Batata

A participação da Porbatata na Agroglobal 2020 começou a ser planeada muito antes da pandemia determinar o seu adiamento, pelo que a instalação do ensaio de variedades de batata nos campos de Valada do Ribatejo decorreu com alguma expectativa, mas dentro da normalidade possível.

O campo de ensaio de variedades de indústria tem uma área de 1,7 hectares, com rega de pivot, em parceria com as casas de semente com representação em Portugal associadas da Porbatata: Agrico, Agroplant, Germicopa, HZPC, Meijer e Stet Holland. Cada casa de semente forneceu uma variedade de batata específica para indústria que pretende divulgar, testar e promover, uma vez que nos encontramos inseridos numa zona onde a agroindústria tem o seu forte e o setor da batata de indústria verificou franco crescimento nos últimos anos.

Além das casas de sementes, o ensaio conta com a parceria da ADP Fertilizantes, que fornece os adubos de fundo e cobertura, da Nufarm que fornece os fitofármacos e da TradeCorp que fornece a fertilização foliar.

A sementeira decorreu no final de abril, a emergência deu-se sem grandes incidentes, mas as chuvas de maio trouxeram alguma incidência de míldio, controlada pela eficaz intervenção dos técnicos responsáveis pelo campo. Na segunda quinzena de julho a tuberização já tinha ocorrido em todas as variedades e os trabalhos culturais e tratamentos decorriam normalmente e sem grandes incidentes. A colheita, conforme programado inicialmente, está prevista para setembro.