Agroalimentar Hortofruticultura Inovação Investigação

ANI premeia Tomatable: o tomate em conserva pouco calórico, mas nutritivo, que evita o desperdício de toneladas

Todos os anos, na campanha do tomate, várias toneladas deste frutícola são desperdiçadas por serem de cor verde

No âmbito da sua parceria com a PortugalFoods, que promove os Prémios Ecotrophelia Portugal, a ANI distingue um enlatado de tomate verde fermentado, que poderá ser consumido em sandes, saladas ou como entrada. O Tomatable foi eleito pela ANI como o melhor projeto nascido do conhecimento científico e tecnológico da edição 2020 dos Prémios Ecotrophelia Portugal.

Portugal é um dos maiores produtores europeus de tomate, um hortofrutícola bastante usado na dieta mediterrânica, mas que é alvo de desperdício. Todos os anos, durante a colheita, são deixadas para trás toneladas de tomate verde, sobre o qual existe uma série de mitos, entre os quais o de que não é bom para comer. Ora, o tomate verde tem a mesma composição nutritiva que o vermelho, mas a indústria descarta-o, o que constitui um problema ambiental, alimentar e económico. O “Tomatable” é o produto de conserva que usa o tomate verde desperdiçado e outros vegetais fermentados e que poderá ser consumido como acompanhamento de pratos compostos (sandes/saladas) ou como entrada.

Desenvolvido por uma equipa de investigadores do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, este projeto nascido do meio académico acaba de conquistar o prémio Born from Knowledge (BfK). Atribuída pela Agência Nacional de Inovação (ANI), esta distinção elege o “Tomatable” como o melhor projeto nascido do conhecimento científico e tecnológico a concurso na edição 2020 dos Prémios Ecotrophelia Portugal.

O “Tomatable” surge, assim, para aproveitar o tomate verde e acrescentar-lhe valor, existindo em duas edições: “Green Edition” e “Pink Edition”. A primeira tem o aspeto do seu principal ingrediente, o tomate verde; já a segunda é composta por tomate verde, cebola roxa, rabanetes e couve-roxa, apresentando, por isso, uma cor rosa forte.

O produto resulta de uma fusão de alimentos e sabores da dieta mediterrânica, com um equilíbrio delicado entre a acidez e o salgado e é de origem nacional. Nutricionalmente é pouco calórico, contendo vitaminas e micronutrientes que contribuem para uma alimentação equilibrada e variada. Contém ainda probióticos e simbióticos resultantes da fermentação que potenciam benefícios para a saúde.

Destina-se a um público-alvo que abrange jovens, adultos, vegetarianos, veganos e pessoas preocupadas com o bem-estar e com a preservação ambiental e a equipa responsável pelo seu desenvolvimento vai agora procurar potenciais parceiros estratégicos para transformar o projeto num produto comercializável.

O BfK – Born from Knowledge é promovido no âmbito do SIAC – Iniciativa de Transferência de Conhecimento, cofinanciada pelo COMPETE 2020, através do Portugal 2020 e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.


Artigo relacionado:

Eleito o vencedor do prémio ECOTROPHELIA Portugal 2020