Na primeira pessoa

” Temo-nos mantido praticamente estagnados nos últimos 10 anos “

Francisco Avillez, professor do Instituto Superior de Agronomia e coordenador científico da Agro.ges

“Um dos principais desafios que a humanidade vai enfrentar nos próximos anos, vai ser capaz de alimentar mais de 3 mil milhões de pessoas nas próximas décadas.

E não é só ser capaz de a alimentar, ela vai ter que o fazer com base em dietas saudáveis acessíveis a todos e baseadas em sistemas alimentares sustentáveis. Isto é um desafio complicadíssimo, já não era só uma questão quantitativa e nós temos conseguido ao longo das décadas responder quantitativamente a este problema e bem em geral, mas agora exige-nos uma componente qualitativa de grande exigência que teremos de ser capaz de ultrapassar.

Neste contexto o que a agricultura portuguesa vai ter que fazer é crescer a produção agrícola e alimentar nos próximos anos e fazê-la crescer sobretudo em relação a produtos de qualidade e fazê-la crescer quer para o mercado interno como para o mercado externo e por outro lado vai ter que o fazer com base em sistemas de produção que têm que ser viáveis empresarialmente e tem de ser sustentáveis ambientalmente e que tem que ter também uma componente social ou territorial básica e equilibrada.

Isto não é fácil de fazer-se e aquilo que nos exige é muito e a nossa agricultura tem ao longo das últimas décadas tido uma evolução positiva, com sinais bastante positivos nalguns aspetos, mas globalmente os resultados não são tão famosos como aquilo que a gente poderia pensar quando olhamos para aquilo que são digamos os “pequenos bichos de agricultor”.

Nós na prática quer em termos de valor de produção quer em termos de valor acrescentado temos mantido praticamente estagnados ao longo dos últimos 10 anos, com alguma melhoria mais recente mas temos mantido praticamente estagnados e isso vai exigir um tecido empresarial agrícola e de agroalimentar que tem de ser cada vez mais organizado, mais qualificado, vai ter que ser mais inovador, vai ter que ter mais dinamismo do que ao que teve até agora e para o fazer vai ter de ser enquadrada por um conjunto coerente e eficaz de políticas públicas.”

Extrato da comunicação na conferência da AgroGlobal 2020, na abordagem à Agenda da Inovação e plano da “Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030”.