Na primeira pessoa

” Estamos a casar os interesses dos setores da agricultura e dos recursos hídricos “

Cláudia Pascoal, investigadora do CBMA / professora da Escola de Ciências da UMinho e coordenadora do “Climalert”

“Estamos a casar os interesses dos setores da agricultura e dos recursos hídricos, o que é difícil, pois a água é muito utilizada na agricultura, mas por vezes devolvida aos ecossistemas de forma contaminada.

Este projecto é valioso, pois promove a sustentabilidade com benefícios económicos para agricultores e para os gestores ambientais, que têm de gerir as bacias hidrográficas tendo em conta as alterações climáticas.

As ferramentas “Climalert” foram criadas na UMinho, através dos centros de investigação CBMA, Algoritmi e de Sistemas Microeletromecânicos, e estão a ser testadas por stakeholders nos três países do consórcio. A ideia é perceber, por exemplo, «o estado de secura do solo, o acesso a indicadores de água na planta e na atmosfera ou o stock de água nos rios a albufeiras». Através destas aplicações, os agricultores podem antecipar um evento climático em uma ou duas semanas, antecipar ou adiar uma colheita e optimizar o seu sistema de irrigação.

O utilizador fica mais bem preparado para decisões que privilegiem a sustentabilidade do sistema produtivo e do ecossistema, com claras vantagens financeiras.”

Artigo relacionado:

→ Universidade do Minho cria “app” que vai alertar agricultores sobre mudanças climáticas

O projeto, que inclui uma app e uma plataforma web, junta parceiros de Portugal, Espanha e Alemanha e conta com 845 mil euros da UE até 2021. Vai ser apresentado dia 25 de setembro, às 16h15, no Mosteiro de Tibães, em Braga, no âmbito do Greenfest, o maior festival nacional de sustentabilidade.