Agropecuária Sanidade animal

Aveia fermentada na alimentação de suínos

A aveia oferece muitos benefícios à saúde dos animais, entre os quais o efeito calmante no intestino das porcas que ajuda a prevenir a obstirpação no momento do parto além de conter altos níveis de ácidos gordos poli-insaturados, fosfolipidos, proteínas de alta qualidade, fibras de beta-glucano, minerais e vitaminas.

Os porcos requerem vários nutrientes essenciais para fazer face às suas necessidades diárias durante o crescimento, reprodução, lactação e outras etapas. Os nutrientes básicos são água, hidratos de carbono, gorduras, proteínas (aminoácidos), minerais e vitaminas. Entre esses nutrientes, os aminoácidos (proteínas) desempenham um papel vital no desenvolvimento do tecido muscular.

Os aminoácidos são encontrados em abundância na aveia, ela oferece muitos benefícios à saúde dos animais, entre os quais está o efeito calmante no intestino das porcas que ajuda a prevenir a obstirpação no momento do parto (Celize Christy, 2018). Contém altos níveis de ácidos gordos poli-insaturados, fosfolipidos, proteínas de alta qualidade, fibras de beta-glucano, minerais e vitaminas.

Nos últimos anos, a fermentação da ração para porcos tornou-se uma tarefa difícil para os produtores. Durante a fermentação, é formado ácido láctico, que ajuda a manter uma boa saúde intestinal nos porcos. A aveia oferece benefícios dietéticos quando misturada com água e fermentada com Lactobacillus. Muitos lactobacilos são usados ​​para colonizar o tracto intestinal e interagir com a flora nativa. A aveia fermentada ajuda a minimizar as diarreias nos leitões desmamados. Também pode prevenir a obstirpação em porcas gestantes e as úlceras em porcos de engorda. Cho e Kim 2012 afirmaram que a aveia fermentada reduz o nível de pH do intestino dos porcos. De facto, em ratos, os lactobacilos contribuem para a produção de hidrolase de sal biliar no tracto intestinal, que pode alterar a produção de ácidos gordos de cadeia curta no ceco, cólon distal e fezes. Na prática, essas mudanças indicam que esses microorganismos provavelmente sobreviveram ao intestino grosso e levaram à modificação da composição da microflora (Lambo et al., 2005). O equilíbrio da microflora gastrointestinal pode ser importante em relação às doenças do cólon. Em humanos (mulheres saudáveis ​​em idade reprodutiva), a aveia fermentada pode aumentar a absorção de ferro não heme de uma dieta rica em fitato (Bering et al., 2006). No entanto, não há muitas informações sobre a influência da aveia fermentada no rendimento do crescimento e na saúde intestinal de leitões desmamados.

Considerando seus benefícios potenciais, formulamos a hipótese de que a aveia fermentada pode garantir uma boa saúde gastrointestinal para aumentar o rendimento de crescimento. Portanto, este estudo investigou os efeitos da farinha de aveia fermentada no rendimento do crescimento, digestibilidade de nutrientes e microrganismos do íleo em leitões desmamados. Foram utilizados 160 leitões desmamados cruzados, os quais foram distribuídos aleatoriamente a um dos quatro tratamentos dietéticos (oito parques por tratamento). Na experiência, os efeitos da inclusão de aveia fermentada (FA) foram avaliados frente a uma dieta à base de farinha de milho e soja sobre o rendimento de leitões desmamados alimentados com dietas de alta densidade de nutrientes (AD) e baixa densidade de nutrientes ( BD).

Figura 1: Efeitos da aveia fermentada em dietas com diferentes densidades de nutrientes sobre o rendimento do crescimento em leitões desmamados.
Figura 1: Efeitos da aveia fermentada em dietas com diferentes densidades de nutrientes sobre o rendimento do crescimento em leitões desmamados.

 

Durante o estudo (dias 1-42), o ganho médio diário (GMD) e a eficiência (G:F) dos leitões alimentados com dietas AD e AF foram significativamente mais altos que as das dietas BD e de aveia não fermentada respectivamente (figura 1). A digestibilidade aparente total da matéria seca (MS) e nitrogénio (N) dos grupos AD foi significativamente maior do que a dos grupos BD (figura 2A). Leitões alimentados com AF mostraram uma contagem ileal de Lactobacillus mais alta e uma contagem de Escherichia coli mais baixa em comparação com aqueles alimentados com dietas de aveia não fermentada (Figura 1B). Existem poucas pesquisas avaliando ingredientes fermentados na alimentação suína. Embora os ingredientes tenham sido diferentes, Cho et al. (2007) relataram que leitões alimentados com soja fermentada mostraram melhor eficiência alimentar. Anteriormente, a nossa equipa de pesquisa relatou que diferentes níveis de AF (7,5, 11,3 e 15%) podem melhorar o rendimento de crescimento de leitões desmamados (21 a 42 dias de idade). A possível explicação para maior eficiência de crescimento neste estudo pode ser o baixo valor de pH de AF. O baixo pH de AF pode inibir o crescimento de algumas bactérias prejudiciais, como E. coli e Salmonella sp. e melhorar a actividade de algumas enzimas digestivas, como a pepsina (Taylor 1962; Canibe e Jensen 2003). Em conclusão, a alimentação com dietas AF versus BD demonstrou efeitos benéficos no rendimento do crescimento, digestibilidade dos nutrientes e equilíbrio dos microrganismos do íleo em leitões desmamados.

Figura 2: Efeitos da aveia fermentada em dietas com diferentes densidades de nutrientes sobre a digestibilidade aparente total (ATTD) e os microorganismos do ileon em leitões desmamados.
Figura 2: Efeitos da aveia fermentada em dietas com diferentes densidades de nutrientes sobre a digestibilidade aparente total (ATTD) e os microorganismos do ileon em leitões desmamados.

Autoria: InHo Kim

InHo Kim

Dankook University. Coreia do Sul

Obteve um PhD em nutrição de suínos pela Kansas State University em 1995. É professor de Ciência Animal na Dankook University (Coreia do Sul), com uma carreira focada em rações e alimentação de suínos. Trabalha para a Academia de Ciência e Tecnologia da Coreia (KAST) e é editor de sesção do J. Animal Science e do Japan Animal Science Journal.