EMPRESAS & PRODUTOS Hortofruticultura Reportagem

Physalis. Em estufa é possível produzir o ano inteiro

Luís Manso aventurou-se na produção de physalis em 2014 e embora a ideia fosse avançar para algo novo que o mercado desconhecia, também trouxe as dificuldades inerentes ao ter de “inventar tudo”. Se por um lado o consumidor não conhecia o fruto, por outro também havia muito pouca informação sobre como o produzir, além da inexistência, ainda agora, de fitofármacos homologados para a auxiliar a produção.

PHYSALUSA RESPONSÁVEL: Luís Manso 

ATIVIDADE: produção de physalis, comercialização de physalis e maracujá e produção de plantas exóticas em viveiro

LOCALIZAÇÃO: Caranguejeira (Leiria)

COLABORADORES: Luís Manso trabalha a tempo inteiro e conta com a colaboração de mais quatro a oito pessoas consoante a atividade

ÁREA: 2500 metros de estufas e 8 mil metros de ar livre

Na exploração própria Luís Manso apenas produz physalis

Na exploração própria Luís Manso apenas produz physalis, mas a empresa também comercializa maracujá, e auxilia outros produtores na atividade produtiva, fazendo o respetivo escoamento da produção.

Dispõe de 2500m de estufas, sendo o restante dos 8 mil metros da exploração para produção de ar livre. Admite que se fosse hoje teria feito toda a área em estufa, mas quando começou, em 2014, as incertezas eram muitas. Ainda assim avançou porque o estudo de mercado que realizou lhe mostrou que havia condições para produzir em Portugal. Avança-nos que a physalis produz em três meses, o que possibilitou imediatamente trabalhar em ensaios e a comercializar no primeiro ano.

Em estufa é possível produzir physalis o ano inteiro, embora no final do inverno – início da primavera seja mais difícil obter fruta em quantidade. No caso da physalis de ar livre, a plantação faz-se nos meses de março e abril e a fruta começará a ser colhida nos finais de julho – início de agosto, com produção semanal até ao início das geadas. Em estufa a plantação difere e a recomendação é que seja feita em junho para a produção começar quando termina a produção de ar livre.

Sendo um fruto muito pequeno, necessita de muita mão de obra na colheita, acabando por encarecer o produto, daí que o empresário reforce a importância de se analisar este critério quando se pensa na instalação da cultura.

Dispõe igualmente de uma área de viveiro, onde produz plantas exóticas

Dispõe igualmente de uma área de viveiro, onde produz plantas exóticas, nomeadamente maracujás e physalis, além de um leque variado de outro tipo de plantas como tamarilhos, bananeiras, cana de açúcar (…).

A comercialização destas plantas é feita online, para o mercado nacional. Já a fruta, alguma segue para exportação, com o maracujá a ter como destino sobretudo a França e a Holanda, além do mercado nacional. No que toca à physalis, o forte é o mercado nacional, e quando o volume aumenta, também segue para exportação.

A comercialização e produção de physalis funciona com uma rede de produtores. Este ano registou-se uma quebra uma vez que os produtores foram aconselhados a plantarem metade do que tinham previsto, antevendo que a pandemia faria cair o consumo, como aconteceu muito por via dos grandes consumidores que são a hotelaria e a restauração.