Na primeira pessoa

” Se tratarmos bem o solo, tudo nos será dado por acréscimo “

Gabriela Cruz, presidente da APOSOLO.

“Adaptando de uma frase bíblica: se tratarmos bem o solo, tudo nos será dado por acréscimo. Os agricultores têm que introduzir ou aumentar a área de conservação de solo nas suas explorações, mas devem fazê-lo ao seu ritmo. Aconselha-se a começar numa parcela e depois ir alargando a mais área dentro da exploração. Um dos primeiros passos é deixar o solo coberto com a biomassa das culturas anteriores (restolhos, palhas, etc) e fazer rotação de culturas, a que for possível no contexto de cada exploração.

A meta será aplicar os 3 pilares da agricultura de conservação: distúrbio mínimo do solo, rotação de culturas e cobertura permanente do solo. Há culturas anuais, como o tomate indústria e outras hortoindustriais, em que o agricultor tem de ir mais paulatinamente, começa por fazer uma mobilização de conservação (não lavrar, mas mobilizar verticalmente o solo) e depois introduz as culturas de cobertura. É claro que neste caso a conversão é mais lenta do que no caso dos cereais ou leguminosas.”


Artigo relacionado:

Projeto inovador de Agricultura de Conservação aplicado à cultura do tomate indústria