Fertilização Hortofruticultura

Quais os benefícios da semeadura direta nos seus cultivos?

A semeadura direta é um exemplo claro do desenvolvimento crescente de práticas agrícolas ainda mais sustentáveis ​​e responsáveis ​​com a conservação do solo.

Quando se analisa o comportamento da agricultura atual, percebe-se que, apesar de ser uma atividade milenar, é um setor em constante evolução.

Assim, nas últimas décadas tem ocorrido um espetacular processo de análise, reflexão e inovação que está a levar à introdução de novos insumos e técnicas que visam não só favorecer a produtividade e a qualidade das colheitas, mas também moldar diferentes aspetos da agricultura tradicional para contribuir para torná-la, a cada dia, mais eficiente, sustentável e responsável com o meio ambiente.

A prática como a semeadura direta, embora possa estar erroneamente associado a um retorno às origens, implica a aplicação dos conhecimentos mais inovadores que se tem atualmente sobre a importância e conservação do solo dedicado à atividade agrícola.

A semeadura direta parte da premissa de que grande parte dos nutrientes de que os campos precisam para a sua germinação, desenvolvimento e ótimo crescimento estão disponíveis no próprio solo agrícola.

Portanto, é necessário implementar práticas que contribuam para favorecer tanto a absorção natural desses nutrientes pelas plantas, quanto a capacidade ótima de regeneração do solo agrícola, para evitar sua degradação.

Com base nesta ideia, os princípios da semeadura direta baseiam-se na escolha de realizar as tarefas mínimas possíveis de cultivo da terra e na utilização de soluções fitossanitárias que reduzam a proliferação de ervas daninhas, de forma a alcançar maior presença de nutrientes e que estes são assimilados apenas pelas espécies vegetais que compõem os campos planejados pelo agricultor.

Em suma, a semeadura direta é uma atividade agrícola que visa ajudar o solo a alcançar uma regeneração adequada, com o objetivo de alcançar os seguintes benefícios em relação às práticas agrícolas tradicionais:

  • Redução da compactação do solo, evitando que seja afetado pela realização de um número excessivo de passadas com máquinas agrícolas de grande tonelagem.
  • Melhoria considerável na capacidade de retenção de nutrientes e humidade do solo agrícola, graças à proliferação da matéria orgânica que contém e que é essencial para o crescimento das plantas.
  • Com base nos dois aspectos anteriores, a semeadura direta também contribui para reduzir o risco de erosão do solo, por exemplo, renunciando ao desenvolvimento de ações de revolvimento em áreas agrícolas com declive considerável, o que não só é essencial para o futuro da agricultura, mas também para conter os efeitos da desertificação e das mudanças climáticas.