Na primeira pessoa

” 80% da produção nacional de pinhas continua a ser exportada “

Miguel Figueiredo, diretor da PineFlavour

“A indústria em Portugal não tem tido grande evolução, até pelo contrário, pelas práticas que observamos, quer no processo de comercialização das pinhas, quer no processo de valorização da transformação e comercialização do miolo, o setor tem vindo a desaparecer em Portugal e se nada for feito, a extinção não será utopia.

Trata-se de um longo processo até se chegar ao pinhão comercializável, uma vez que a pinha do pinheiro manso demora 36 meses a formar-se, tendo a árvore a particularidade de manter três pinhas em diferentes fases de desenvolvimento.”

Artigo relacionado:

Indústria ressente-se da forte concorrência na hora de adquirir as pinhas