Agropecuária Pastagens & Forragens

Como produzir pastagens biodiversas para aliar conservação da natureza a maior produtividade pecuária extensiva

LIFE Rupis: lançado manual que explica como produzir pastagens biodiversas para aliar conservação da natureza a maior produtividade pecuária extensiva

O projeto “LIFE Rupis – Conservação do britango e da águia-perdigueira no vale do rio Douro” acaba de lançar o “Guia Informativo – Manual de Instalação de Pastagens Biodiversas”, editado pela organização não governamental de ambiente Palombar – Conservação da Natureza e do Património Rural, parceira do projeto. O manual é de acesso livre e está disponível para download no site do projeto LIFE Rupis, em: http://www.rupis.pt/fotos/editor2/manual_pastagens_biodiversas_liferupis_compressed.pdf, e no site da Palombar, em: http://palombar.pt/ficheiros/projectos/event_5_1.pdf.

A publicação consiste num manual prático que pretende ajudar os criadores de gado e os agricultores a rentabilizarem os seus terrenos com culturas forrageiras e a aumentarem a produtividade pecuária extensiva, através da implementação de pastagens permanentes semeadas biodiversas ricas em leguminosas (PPSBRL), ao mesmo tempo que contribuem para a proteção da biodiversidade de fauna e flora, e para a conservação de espécies ameaçadas, como é o caso do britango (Neophron percnopterus) e da águia-perdigueira (Aquila fasciata), espécies-alvo do projeto LIFE Rupis.

O manual explica o que são as pastagens biodiversas/permanentes e o seu ciclo anual, com foco nos benefícios e vantagens de substituir as forragens em modo tradicional por este tipo de pastagem mais sustentável e produtiva. A obra aborda ainda as PPSBRL no contexto das políticas e estratégias europeias no domínio ambiental, da proteção da biodiversidade e do combate às alterações climáticas.

Adicionalmente, integra um guia prático que ensina como promover a análise do solo, a seleção de sementes, a preparação do terreno e a implementação de sementeiras e gestão das pastagens biodiversas.

No âmbito de ações do projeto LIFE Rupis, a Palombar implementou pastagens biodiversas/permanentes num total de 37,1 hectares de terrenos no Nordeste Transmontano, recorrendo ao uso de misturas de sementes de variedades tradicionais de cereais, leguminosas e ervas diversas, adquiridas junto de produtores locais.

Pastagens biodiversas beneficiam espécies ameaçadas e aumentam produtividade agrícola e pecuária

As pastagens biodiversas/permanentes instaladas no âmbito do projeto LIFE Rupis contribuíram para incrementar o mosaico agrosilvopastoril no Nordeste Transmontano, criar pastagens mais sustentáveis e nutritivas para as raças locais de caprinos, ovinos e bovinos, bem como para aumentar os seus efetivos.

Bovinos a pastarem.

Além de fomentar a produtividade agrícola e pecuária, a implementação das pastagens biodiversas/permanentes geraram impactos positivos diretos sobre várias espécies de abutres ameaçadas e legalmente protegidas, como o britango, o abutre-preto (Aegypius monachus) e o grifo (Gyps fulvus), promovendo o aumento da disponibilidade de alimento para estes, nomeadamente de resíduos como as placentas. As PPSBRL beneficiaram igualmente aves de rapina como a águia-perdigueira, ao aumentar o número das suas espécies-presa, nomeadamente coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus) e perdiz-vermelha (Alectoris rufa).

PPSBRL são mais sustentáveis e rentáveis que forragens tradicionais

As pastagens biodiversas/permanentes são mais sustentáveis e rentáveis do que as forragens tradicionais porque apresentam maior retorno do investimento por serem mais produtivas e resilientes às alterações climáticas e à seca, fornecendo mais alimento para o gado e com melhor qualidade, ao mesmo tempo que ajudam a aumentar a produção de matéria orgânica nutritiva para os solos. Solos ricos em matéria orgânica são menos suscetíveis à erosão, têm maior capacidade de retenção de água, são mais ricos em nutrientes e, consequentemente, tornam-se mais férteis.

Fertilizante biológico para as pastagens.

Conversão de forrageiras tradicionais permite cumprir estratégias europeias para o ambiente e biodiversidade

É fundamental sensibilizar os agricultores e os criadores de gado para iniciarem o processo de conversão das culturas forrageiras tradicionais para as PPSBRL, visto que estas asseguram resistência face ao avanço das alterações climáticas, e benefícios ao nível dos serviços de ecossistemas, biodiversidade e sustentabilidade. Este é precisamente um dos objetivos do Manual que acaba de ser lançado. Esta medida é igualmente um passo essencial para implementar, no terreno, as orientações, políticas e estratégias europeias na área ambiental e de proteção da biodiversidade, nomeadamente aquelas previstas no Pacto Verde Europeu, Estratégia Europeia para a Biodiversidade 2030 e Estratégia Farm to Fork (Estratégia do Prado ao Prato).

Os agricultores e criadores de gado que avancem já com essa conversão estarão a dar passos decisivos rumo à sustentabilidade, resiliência e maior rentabilidade das suas produções, permitindo que, num futuro próximo, possam colher os benefícios da sua escolha mais amiga do ambiente e promotora da biodiversidade, que a todos favorece.

Sobre o projeto LIFE Rupis

O projeto transfronteiriço “LIFE Rupis – Conservação do britango e da águia-perdigueira no vale do rio Douro” (www.rupis.pt), financiado pela União Europeia, através do Programa LIFE, foi aprovado em 2015 e termina este ano, 2021. Este projeto é coordenado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

O seu principal objetivo foi promover a conservação do britango e da águia-perdigueira no vale do rio Douro, através da implementação de medidas para reduzir a mortalidade destas espécies e aumentar o seu sucesso reprodutor.

Além da Palombar, o LIFE Rupis tem os seguintes parceiros: Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), Associação Transumância e Natureza (ATNatureza), Junta de Castilla y León, Fundación Patrimonio Natural de Castilla y León, Vulture Conservation Foundation (VCF), EDP Distribuição e Guarda Nacional Republicana (GNR).

Pode subscrever a nossa revista em: