Hortofruticultura Sanidade vegetal

Produção e Comercialização de Citrinos em Local Livre de “𝑻𝒓𝒊𝒐𝒛𝒂 𝒆𝒓𝒚𝒕𝒓𝒆𝒂𝒆”

A DGAV publicou recentemente a versão atualizada do documento Requisitos Técnicos para Produção e Comercialização de Citrinos e Outras Rutáceas em Local Livre de Trioza erytreae decorrente das alterações legislativas, entretanto ocorridas, e da experiência adquirida com a aplicação dos mesmos.

〈 04/03/2021 〉

REQUISITOS TÉCNICOS PARA PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE CITRINOS e outras rutáceas (PLANTAS MÃE E PLANTAS FINAIS) EM LOCAL LIVRE DE TRIOZA ERYTREAE

I – Introdução

Atendendo à deteção de Trioza erytreae, ou psila africana dos citrinos, em algumas regiões do País e dado o alargamento já ocorrido da zona infestada por este inseto, procurou-se acautelar um conjunto de condições para assegurar a continuidade da produção e da comercialização de material de propagação citrícola em regiões onde a praga esteja presente.

O estabelecimento de locais de produção livres permitirá dar essa resposta, tendo como ponto de partida os conceitos estabelecidos na Norma Internacional para Medidas Fitossanitárias n.º 10 do IPPC- FAO.

Tendo sido anteriormente estabelecido um conjunto de requisitos técnicos, faz-se agora a sua atualização tendo em conta a nova legislação em vigor – Anexo VIII do Regulamento de Execução (UE) 2019/2072 e Portaria n.º 142/2020 – e a experiência entretanto adquirida.

Assim, na zona demarcada da T. erytreae, a produção de plantas de citrinos e das outras rutáceas abaixo indicadas, para além da obrigatória declaração de plantas-mãe ou de viveiro, devem ser produzidas num local com proteção física completa contra este inseto, tendo igualmente sido objeto de 2 inspeções oficiais no último ciclo vegetativo, sem sintomas da praga.

Igualmente para a comercialização das plantas de citrinos e das outras rutáceas a seguir indicadas, as mesmas devem ser mantidas num local com proteção física completa contra este inseto, e ser provenientes de áreas isentas (fora de zonas infestadas e zonas tampão) ou de viveiros localizados em zonas demarcadas, cumprindo os requisitos acima descritos para a produção, transportados para esses locais sob proteção física completa, em recipientes e embalagens fechadas de forma a garantir que a infestação pelo inseto não ocorra. Esse local de comercialização é sujeito a pelo menos duas inspeções oficiais anuais.

O presente documento descreve os requisitos mínimos que o referido local de produção ou de comercialização deve cumprir para ser considerado local de produção livre de Trioza erytreae.

» Consulte aqui o documento oficial e completo.