Agroalimentar EMPRESAS & PRODUTOS Hortofruticultura

Ervilha produzida em Portugal é a primeira a chegar aos mercados europeus

A cultura da ervilha para congelação veio para ficar. São várias dezenas de produtores que ao longo do país a introduziram nas suas rotações, e são várias as indústrias que a introduziram no seu plano de trabalhos anual, assim como no seu portefólio de vendas.

〈 06/05/2020 〉

A Dardico não foi a primeira a produzir ervilhas para congelação em Portugal, mas foi a que mais cresceu de forma sustentada e contínua. Esta sustentabilidade, e continuidade, permitiram aos produtores fazerem as necessárias alterações nas suas explorações agrícolas, de modo a introduzirem esta cultura melhoradora de solo nas suas rotações. Beneficia de forma significativa as culturas subsequentes, após a fixação de muitas unidades de azoto atmosférico no solo, o que reduz as necessidades de fertilização destas culturas e das seguintes (aproximadamente 70 unidades por hectare, segundo alguns estudos), e beneficia igualmente a conta de exploração da atividade económica dos produtores.

Com o início das sementeiras em meados do mês de dezembro e prolongando-se até ao final do mês de fevereiro, a nossa ervilha passa por todo o período de inverno, e desta forma é obrigada a desenvolver-se em condições bem menos favoráveis. Neste período é necessário um acompanhamento técnico muito próximo, pois cada campo é um campo e há que ter cuidado com as infestantes e com os fungos, de solo e atmosféricos. É ainda neste período que grande parte do potencial produtivo se desenvolve.

Com o início da floração em meados do mês de março há outros desafios a dar resposta, como segurar a flor e garantir o correto enchimento do grão. Quando o fim do ciclo da cultura se aproxima há que preparar toda a pesada logística da colheita. Todo este trabalho, desde o planeamento da sementeira ao planeamento da colheita, é feito pelo nosso técnico de campo, Pedro Serrão, que possui uma vasta experiência nesta cultura, nacional e internacionalmente com mais de 10 anos no acompanhamento de campos da nossa casa mãe, na Bélgica.

O controlo rigoroso do momento exato da colheita é também parte importante para o sucesso da qualidade do produto final. E não esqueçamos que estamos a produzir para o muito competitivo e exigente mercado internacional tal como para o sucesso da rentabilidade do campo para o produtor.

A nossa ervilha, produzida nos Vales do Tejo e Sorraia, é a primeira a chegar à Europa, e isso faz toda a diferença. Os nossos clientes já se habituaram à nossa qualidade, pois a constante seleção de novas variedades, fruto de um procedimento rigoroso, leva-nos a ter esse tipo de sucesso. Mesmo que a grande dificuldade neste processo seja adaptar variedades, que em bom rigor não foram desenvolvidas para o nosso clima. No entanto, a nossa estreita colaboração com as grandes casas de produção de sementes globais, como a ‘Seminis’, a ‘Syngenta’, a ‘Nunhems’ e a ‘Van Waveren’, entre outras, permite-nos ter a acesso às melhores variedades. Assim, vamos ao encontro, quer das fortes exigências dos nossos clientes, quer das mais altas produtividades dos nossos campos.

Os frutos deste constante trabalho estão à vista nos resultados, também notórios, dos rendimentos dos produtores.

Claro que deveremos fazer a salvaguarda de que a ervilha é uma cultura de inverno e que nem sempre o clima ajuda a um rendimento muito elevado para o agricultor e a uma qualidade de excelência para a indústria. Mas, como temos sempre em mente que os resultados industriais dependem sempre do sucesso dos resultados do campo, tudo fazemos para levar esta ervilha aos mais altos patamares de qualidade e rendimento.

Fomos pioneiros em alguns aspetos de logística de colheita em Portugal, como por exemplo dedicar um reboque especial que permite que as duas colhedoras trabalhem em simultâneo e desta forma seja possível colher os cerca de 850 hectares que fazemos anualmente.

Este ano esperamos uma produção final de cerca de 6.000 toneladas de ervilha congelada.

Nos últimos 15 anos a DARDICO mais que quadruplicou a sua produção (final), sempre através de constantes investimentos na sua capacidade de congelação, armazenamento e embalagem.

O nosso sucesso passa pela nossa grande preocupação ambiental com a necessária otimização de recurso como energia e água e pela forte diminuição do impacto gerado na sua atividade produtiva atestada pela certificação ISO 14001. Passa, ainda, pela busca incessante da qualidade alimentar e dos melhores processos, merecedora de certificações ISO 9001, BRC Issue 5, IFS e Orgânico.

Em suma, a cultura da ervilha veio para ficar. Não temos as melhores condições edafoclimáticas para a sua produção, mas sabemos produzi-la, transformá-la e vendê-la. Enfim temos tudo para que as ervilhas nos ajudem a exportar cada vez mais. Assim queiramos todos.

Autoria: Luís Domingos e Pedro Serrão, Departamento Agrícola Dardico.

info@dardico.com