Floresta

” Falta ainda muito know-how de gestão e de conhecimento científico aplicado “

Pinheiros mansos. Crédito fotográfico: Pedro Pacheco Marques ©

“Se por um lado se apostou bastante em novos povoamentos, devidamente ordenados, falta ainda muito know-how de gestão e de conhecimento científico aplicado”

A Associação de Produtores Florestais do Vale do Sado está sediada no Litoral Alentejano, sendo inevitável a ligação à fileira do pinheiro manso. Hoje, tanto direta como indiretamente, a ANSUB está envolvida em vários projetos e considera que, particularmente em temáticas como o pinheiro manso ou o sobreiro (Sistemas Agroflorestais Mediterrânicos de Sequeiro), é sobremaneira importante o seu envolvimento, “pois a falta de conhecimento sobre estes sistemas é avassaladora”.

A Associação de Produtores Florestais do Vale do Sado (ANSUB) tem já um histórico de 25 anos de trabalho e assume-se como referência no Sul do País, com uma base sólida de associados e que faz parte de uma network de entidades “que são pilares de desenvolvimento regional e, ao mesmo tempo, vetores de extensão do conhecimento científico entre as instituições de investigação e desenvolvimento e os utilizadores”, clarifica o seu presidente, Pedro Silveira.

Sediada no Litoral Alentejano, considerado o “solar” do pinheiro manso, desde sempre fez sentido que a ANSUB lhe prestasse particular atenção, até pela importância económica que assume para os seus associados. Com o evoluir dos tempos novas oportunidades foram aparecendo para este produto de excelência, já apelidado de “ouro branco”, nomeadamente a exportação, o que imprimiu novas dinâmicas à fileira, e que a ANSUB tem acompanhado e divulgado (…).

Leia o artigo completo na edição de janeiro 2021.